RAPIDINHAS

segunda-feira, 25 de maio de 2020

Como o âmbar registra a história da vida

Quando pensamos em animais fossilizados no âmbar, provavelmente já associamos ao filme Jurassic Park, pois esse elemento natural foi bastante popularizado no filme.

Mas o fascínio que o transparente de ouro-mel do âmbar apresenta não é recente. Ele tem sido admirado pelas pessoas por milhares de anos. Ele foi considerado como objeto de joalheria desde o período Neolítico. Na mitologia grega, pensou-se que âmbar eram as lágrimas das irmãs de Phaëton, filho de Helios, o Deus Sol. Apareceu pela primeira vez na literatura no século IV a.C., nos escritos de Teofrasto e, mais tarde, de Piteias. E agora o âmbar, e sua ocasional carga de inclusões fósseis, está recontando a história da vida em detalhes requintados.


Quando foi revelado em 2006, este lagarto preservado, chamado Yantarogekko balticus, era o mais antigo fóssil de lagarto já descoberto. Créditos da imagem: Wolfgang Weitschat.

A origem do âmbar é muito mais prosaica do que as lágrimas dos deuses. Tem origem a partir de gotas de seiva vegetal, talvez caída no chão da floresta em bolhas pegajosas. Uma vez enterrada em sedimentos, a seiva sofre polimerização molecular, endurecimento sob calor e pressão para formar, primeiro, uma substância intermediária conhecida como copal, e depois o próprio âmbar. Quando a seiva, recentemente liberada ainda está viscosa, pode cair sobre uma criatura passageira, prendendo-a para sempre.

Resina fresca que escorre de um tronco de Agathis lanceolata na Nova Caledônia. Crédito da imagem: C. Beimforde

O âmbar mais antigo data de 320 milhões de anos atrás, do período Carbonífero Superior. Existem centenas de localidades em todo o mundo que produzem estas pedras de ouro-vidro, mas apenas algumas poucas produzem espécimes com fósseis aprisionados dentro delas.

O maior depósito de âmbar vem da região do Báltico, que abrange o leste da Alemanha, Polônia e Rússia. Análises recentes mostram que a resina original veio de um raro grupo de árvores coníferas, das quais existe hoje apenas uma espécie viva - o pinheiro guarda chuva japonês (Sciadopitys verticillata). Embora recuperado de areias marinhas datadas de 25 milhões de anos, a análise dos insetos ocasionalmente encontrados no âmbar do Báltico revela que é consideravelmente mais antigo ainda, datando de entre 44 e 49 milhões de anos atrás.


Fóssil em âmbar de 99 milhões da formiga Sphecomyrmodes robustus (Crédito da imagem: Barden e Grimaldi, 2014 PLOS ONE)

A República Dominicana no Caribe é conhecida por produzir âmbar amarelo, dourado e azul raro de claridade excepcional. Também produz mais fósseis, particularmente de insetos, do que a variedade báltica. Datada de cerca de 25 milhões de anos, o ambiente em que a seiva era produzida era uma floresta tropical repleta de cipós, arbustos e grandes árvores. A própria seiva pode ser rastreada até a espécie de árvore agora extinta, chamada Hymenaea protera, de um gênero que ainda hoje pode ser encontrado crescendo nas Américas tropicais e na costa leste da África.

Âmbar azul 


Mas a maioria dos fósseis espetaculares recuperados na última década, mais ou menos, veio de Myanmar - onde quase um terço dos espécimes desenterrados contém a totalidade ou parte de uma criatura que já viveu. Este âmbar tem sido minado para jóias desde o primeiro século DC. A maioria vem do Vale Hukawng, no estado de Kachin, no norte do país. Hoje existe uma grande indústria não regulamentada de mineração de âmbar de Myanmar e a maioria dos espécimes fósseis premiados são vendidos para colecionadores particulares, muitas vezes ficando fora do alcance de estudos científicos.




Um carrapato preso no âmbar. Crédito da imagem: Erique Peñalver (Igme, Espanha)


O âmbar de Mianmar contém uma enorme variedade de animais e plantas de uma floresta tropical com 99 milhões de anos. Esta foi uma época, no final da Era dos Dinossauros, onde muitos tipos de animais e plantas estavam passando por mudanças significativas, e vemos o primeiro aparecimento de vários grupos que nos são familiares hoje.

Louva a deus no âmbar (Hymenaea protera),Oligoceno. Crédito: fineart.ha.com)

A beleza do âmbar como meio de criação de fósseis é que ele forma uma impressão perfeita da superfície da criatura ou planta enterrada dentro dele. O corpo do animal se decompõe em carbono que pode recobrir a cavidade criada pela forma original. A fidelidade da impressão superficial é tão alta - e o tamanho de muitas das criaturas é tão pequeno - que os fósseis podem ser escaneados e depois explorados para revelar os mais ínfimos detalhes.



Fontes:


  • Comentários do Blog
  • Comentários do Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

Avaliado item: Como o âmbar registra a história da vida Descrição: Classificação: 5 Revisado por: Como Somos Biologia