RAPIDINHAS

quinta-feira, 21 de maio de 2020

Como eram as raças de cães populares antes e depois de 100 anos de procriação

A criação de animais domésticos e pecuária tem grande influência da seleção artificial - mecanismo que baseia-se no cruzamento de indivíduos com as características desejadas e posterior seleção da prole e cruzamentos subsequentes até obtenção de uma linhagem desejada. Ao identificar características específicas - tais como tamanho, cor do pelo e comportamento - e ao permitir que apenas esses animais acasalem, criamos pelo menos 167 "raças" diferentes, ou grupos de cães com características físicas e mentais únicas (ainda assim, todos eles fazem parte da mesma espécie).

Tal técnica inclusive foi muito observada por Darwin, o que o auxiliou na elaboração de sua Teoria de Seleção Natural das Espécies. 

Os cães têm sido os nossos companheiros peludos durante milhares de anos, mas não tinham o aspecto que têm hoje. Muitas raças de cães conhecidas mudaram muito fisicamente no século passado, graças aos "padrões de pedigree".

A padronização das raças de cães iniciou-se em 1873 com o Kennel Club,  o clube de criadores do Reino Unido que definiu e normatizou a morfologia das raças de cachorros pela primeira vez

Tendo em vista que é algo criado artificialmente e intencionalmente por humanos, o padrão das raças mudou muito ao longo das várias gerações. Entre as consequências além da óbvia mudança morfológica está o fato do porquê as raças atuais sofrerem tantos problemas de saúde. 

Abaixo segue a listagem, confira:


Bull terrier


O Bull terrier foi reconhecido pela primeira vez como raça pelo American Kennel Club (AKC) em 1885. Em 1915, parece ter sido um cão em forma, com boa aparência, cabeça bem proporcionada e tronco magro. Entre os criadores, chamavam-lhe "a encarnação da agilidade, graça, elegância e determinação", e o "gladiador da raça canina". Mas hoje, os bull terriers são criados para ter uma cabeça em forma de bola de futebol e um corpo espesso e agachado - um cão muito diferente do cão magro e bonito de 1915.

O AKC afirma agora que o rosto do cão "deve ser oval em contorno oval e estar completamente preenchido dando a impressão de plenitude com uma superfície desprovida de buracos ou reentrâncias, ou seja, em forma de ovo". 

Os Bull terrier têm uma grande tendência a sofrer problemas de pele, assim como de coração, renais, surdez e luxação da patela. Também podem desenvolver problemas oculares.


Bulldog inglês


Poucos cães têm sido tão artificialmente moldados pela criação como o bulldog inglês. Na Grã-Bretanha, os cães foram utilizados para a caça aos touros - um esporte sanguinário em que os cães eram utilizados como chamariz e para atacar touros - até se tornar ilegal em 1835. Em 1915, o bulldog já apresentava algumas das características que hoje vemos, como os papadas flácidas e uma postura agachada. Hoje, os criadores moldaram o bulldog para ter rugas faciais mais pronunciadas, e um corpo ainda mais espesso e agachado. O AKC descreve o cão ideal como tendo um "corpo pesado, espesso e de baixa comissura, cabeça maciça de cara curta, ombros largos e membros robustos". Infelizmente, os bulldogs sofrem de uma série de problemas de saúde, tais como sofrer displasia de quadril, problemas de pele, dificuldade para respirar, predisposição para torção gástrica e problemas nos olhos.


Pastor alemão


Os pastores alemães vieram para simbolizar tudo em um cão, desde a lealdade e companheirismo até à brutalidade policial. O AKC o reconheceu pela primeira vez como uma raça em 1908. Em 1915, foi descrito como um "cão de tamanho médio", pesando apenas 24 kg, com um "peito profundo, costas direitas e lombos fortes". Mas os pastores alemães de hoje são criados para serem consideravelmente maiores (34 a 43 kg), com um dorso mais inclinado. O AKC descreve o espécime ideal como "um animal forte, ágil, bem musculoso, alerta e cheio de vida".

No entanto, são também propensos a problemas de saúde, como a displasia da anca, em que os ossos da perna não encaixam corretamente no encaixe da anca, e incham, uma condição em que o estômago pode expandir-se com o ar e torcer, o que por vezes pode ser fatal.


Shetland sheepdog


O cão pastor de Shetland, ou Sheltie, só foi reconhecido pelo American Kennel Club em 1911, apenas quatro anos antes da publicação do livro de onde foi feita a imagem acima. O livro relatava que a raça pesava apenas 3 a 4 kg, e parece ter tido pelo de comprimento médio. Hoje, os cães foram criados para serem maiores, pesando pelo menos 9 kg. Seu pelo tornou-se inequivocamente mais comprido do que em 1915. O AKC descreve-os agora como "cão de trabalho pequeno, alerta, de pelo grosso e comprido". São também muito inteligentes e bons no pastoreio. 


Pug


Segundo a AKC, os pugs estão entre as raças de cães mais antigas, e têm servido os humanos, fazendo-lhes companhia desde o início do seu tempo. Embora os pugs tenham permanecido aproximadamente do mesmo tamanho ao longo do tempo, foram criados seletivamente para terem olhos maiores e mais largos e nariz mais liso. Infelizmente, a face mais achatada, em que o nariz está mais próximo do resto do rosto, têm estado ligada a problemas respiratórios e outros riscos para a saúde.

Basset hound


O Basset Hound é uma raça de cães oriunda da França, pertencente ao grupo Hound/Sabujos. Foi desenvolvida por monges durante a idade média, com o intuito da realização de caça a pé. Seu faro é muito potente. O Basset hound atual ficou mais baixo, com orelhas mais compridas e sofreu alterações na estrutura das pernas traseiras, tem pele excessiva e tendência à problemas oculares e coluna.


Dachshund


É descrito como caçador de toca, de olfato bastante apurado, que lhe permite seguir pistas facilmente, o que o torna eficaz em ataques surpresas a presas pequenas. É dito ainda um bom sabujo, capaz de perseguir animais maiores já que, apesar das pernas curtas, é leve. O dachshund costumava ter pernas e pescoços funcionais que faziam sentido pelo seu tamanho. As costas e o pescoço tornaram-se mais compridos, o peito ficou mais saliente para a frente e as pernas encolheram a tais proporções que quase não há espaço entre o peito e o chão. O dachschund tem o maior risco de qualquer raça de doença discal intervertebral que pode resultar em paralisia em suas pernas.


White Terrier


Conhecida pela cor branca, acredita-se que tenha surgido à partir de uma seleção entre cães brancos da raça cairn terrier para caça. É considerada uma raça hipoalergênica. O White Terrier (Terrier Branco) já foi uma raça atlética e funcional. Atualmente servem como cães de companhia.


São Bernardo


Os cães da raça São Bernardo foram muito utilizados como cães de resgate nos alpes suíços, visto que são bastante fortes, resistentes, alta tolerância ao frio. Hoje em dia eles sofreram mudanças estruturais que deixaram seu corpo mais robusto, pelagem longa e focinho mais achatado. Devido a isso, podem em alguns casos apresentar problemas respiratórios ou superaquecimento em lugares com temperatura mais quente.

Dobermann


Dobermann é uma raça de cães do grupo pinscher, oriunda da Alemanha. A raça foi desenvolvida inicialmente por Karl Friedrich Louis Dobermann em Apolda na Alemanha por volta de 1860. Foi a primeira raça criada especialmente para proteção. Bem sucedido como cão de guarda de patrimônios, o cão dobermann é também um bom animal de companhia, desde que integrado ao lar e a família. Em comparação com a raça de antigamente, os dobermann atuais ficaram menores, enquanto a cabeça ficou mais lisa. Além disso, a agressividade que caracterizava os primeiros representantes desta raça diminuiu consideravelmente.


Rotweiller


O Rottweiler é uma raça canina desenvolvida na Alemanha. Cão criado por açougueiros da região de Rottweil para o trabalho com o gado, logo tornou-se um eficiente animal de guarda e boiadeiro, além de ser útil na tração. Devido à sua utilidade, tornou-se popular em todo o mundo. É uma raça descrita como de exemplares inteligentes, valentes e devotados. Fisicamente é um animal forte, de pelagem preta e curta, com marcações em castanho; é robusto e de estrutura compacta, que transparece força, agilidade e resistência. O Rottweiler modernos são pretos com manchas marrons bem marcadas no focinho (nas bochechas e sob os olhos), na parte inferior do peito e nas extremidades. O pelo agora é um pouco mais duro. Geralmente, não se corta mais a cauda.

  • Comentários do Blog
  • Comentários do Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

Avaliado item: Como eram as raças de cães populares antes e depois de 100 anos de procriação Descrição: Classificação: 5 Revisado por: Como Somos Biologia