RAPIDINHAS

segunda-feira, 18 de maio de 2020

CRISPR - A edição genética pode criar animais monstruosos como no filme Rampage?

A tecnologia CRISPR é uma ferramenta simples mas poderosa para a edição de genes. Permite aos investigadores alterar facilmente as sequências de DNA e modificar a função do gene. As suas muitas aplicações potenciais incluem a correção de defeitos genéticos, o tratamento e a prevenção da propagação de doenças e a melhoria de cultivos in vitro. No entanto, a sua promessa também suscita preocupações éticas.

No uso popular, "CRISPR" é a abreviatura de "CRISPR-Cas9". Os CRISPR são regiões específicas de DNA. A proteína Cas9 (ou "CRISPR-associated") é uma enzima que atua como um par de tesouras moleculares, capazes de cortar as fitas de DNA.

A tecnologia CRISPR foi adaptada a partir dos mecanismos naturais de defesa das bactérias e arqueias (domínio de microrganismos unicelulares). Estes organismos utilizam o RNA derivado do CRISPR e várias proteínas Cas, incluindo a Cas9, para filtrar os ataques de vírus e outros corpos estranhos. Fazem-no principalmente através do corte e destruição do DNA de um invasor estrangeiro. Quando estes componentes são transferidos para outros organismos, mais complexos, permite a manipulação de genes, ou "edição".

Até 2017, ninguém sabia realmente como era este processo. Num artigo publicado a 10 de Novembro de 2017, na revista Nature Communications, uma equipe de investigadores liderada por Mikihiro Shibata da Universidade de Kanazawa e Hiroshi Nishimasu da Universidade de Tóquio mostrou como é quando um CRISPR está em ação pela primeira vez. 


O poder de editar genes com a técnica de CRISPR é um avanço científico monumental, trazendo um turbilhão de possibilidades de investigação.  A ficção científica não decepcionou ao representar, de forma bastante dramática, a sua própria versão deste esforço científico. O filme Rampage (2018) considera as consequências da manipulação dos genes, uma vez que a organização desonesta Energyne utiliza tecnologia de edição de genes para criar animais gigantes monstruosos, capazes de destruir tudo em seu caminho. Um lobo com asas, um gorila albino de tamanho exagerado e um crocodilo com características semelhantes ao rinoceronte formam uma equipe para fazer o estrago na cidade de Chicago. 

O filme fornece uma história de origem para estas criaturas, que vieram à luz pela primeira vez no clássico jogo de arcade de 1986 e aparaceram através de várias sequências nos consoles de videogames. Naturalmente, a ameaça das bestas gigantescas é uma ameaça que só Dwayne Johnson pode resolver. O seu personagem, Davis Okoye, embarca numa missão de resgate com uma geneticista, Dra. Kate Caldwell (Naomie Harris), para descobrir o que aconteceu a estes animais e como salvar o dia em que a cidade de Chicago parece ter atingido o fundo do poço. A sua busca é em grande parte motivada pela sua estreita relação com o novo e enorme gorila, George, que salvou dos caçadores furtivos e fez amizade como parte do seu trabalho como primatologista.

O filme, como toda boa ficção de Hollywood, é regada de efeitos especiais e cenas de ação frenética e seu protagonista herói 

Mudar o tamanho, as características e o comportamento de um animal não pode ser conseguido modificando um único gene; assim pelo menos no que é visto no filme, é uma deturpação imensa com a realidade e a técnica. Entretanto, apesar da ficção, o filme traz uma discussão sobre os limites na ciência e também das possíveis implicações. 

Tem havido muita propaganda por parte dos cientistas sobre a utilização desta tecnologia para curar doenças que afetam os seres humanos, incluindo a Fibrose Cística e a Doença de Huntington. No entanto, apesar destas afirmações, não fazemos ideia se o CRISPR pode ser utilizado com sucesso para tratar de fato alguma coisa. Embora a teoria seja conceitualmente sólida, só muito recentemente é que He Jankui, um cientista na China, teria usado o CRISPR para editar os genes de gêmeos nascidos em Dezembro de 2018, para tornar as suas células resistentes ao HIV - o primeiro uso conhecido do CRISPR em humanos. Ao contrário da propaganda positiva sobre as aplicações terapêuticas, muitos cientistas reagiram mal a essa notícia, argumentando que a tecnologia ainda não estava pronta para o uso clínico e que o pesquisador ignorou completamente normas éticas para a condução da pesquisa. Isto levou a uma série de duras críticas ao trabalho do cientista chinês por parte de muitos da comunidade científica, além de ter sido preso e condenado a pagar multa de R$ 1,7 milhões.

Além disso, os relatórios científicos sugerem que temos menos controle sobre a edição genética do que pensávamos. Assim, embora não possamos editar o genoma e acidentalmente fazer um gorila mutante hiper-violento, também pode não ser exato dizer que podemos tratar um problema super-específico, como uma doença, sem levantar a possibilidade de alterações acidentais cognitivas, físicas ou outras incidentais.

Talvez, este seja exatamente o tipo das consequências imprevistas que o filme Rampage estava tentando trazer à nossa atenção. No universo do filme, a Dra. Caldwell é uma contribuinte fundamental para o desenvolvimento da tecnologia CRISPR. Ela é motivada pela esperança de ajudar o seu irmão, que foi diagnosticado com câncer. Mas ao tentar ajudá-lo com esta tecnologia - um objetivo totalmente corajoso e viável - ela prepara o terreno para a Energyne desenhar uma arma biológica. A empresa despede-a, pega no seu design e altera-o para criar estas enormes criaturas.

Os cientistas do CRISPR de hoje podem não estar desenvolvendo bestas fantásticas que destroem cidades, mas Rampage ilustra que resultados inesperados podem ocorrer, independentemente do mérito do objetivo. As ações nefastas da Energyne servem para mostrar que, uma vez disponível uma tecnologia de quebra de padrões, é difícil dizer como e quando será utilizada. Assim, os cientistas devem conhecer o seu papel e compreender que o seu trabalho pode rapidamente estender-se para além da bancada do laboratório. E se estão perturbados com a forma como He Jankui usou o CRISPR em humanos para um objetivo médico racional, devem antecipar que outros esforços potencialmente mais censuráveis podem também surgir dos seus esforços de investigação.

O desenvolvimento de novos tipos de tecnologias sem conhecer os resultados precisos é algo inerente à ciência. Entretanto, a disposição de tempo para consideração das possibilidades e a aceitação da responsabilidade por elas, ajudará a orientar o processo de desenvolvimento de formas que possam tornar menos prováveis os resultados negativos. Se isto significa que os cientistas dão passos mais lentos e mais pequenos quando concebem e testam estas novas tecnologias no laboratório, ou que dedicam mais energia mental e financiamento à abordagem das possíveis implicações tecnológicas e éticas do seu trabalho, são questões que permanecem em aberto.



  • Comentários do Blog
  • Comentários do Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

Avaliado item: CRISPR - A edição genética pode criar animais monstruosos como no filme Rampage? Descrição: Classificação: 5 Revisado por: Adriana Cordeiro