RAPIDINHAS

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2021

Conheça as incríveis aranhas voadoras

Há aranhas que voam. Isso mesmo!

As aranhas voadoras não têm asas ou mesmo pele esticada entre os dedos estendidos como morcegos, mas podem percorrer centenas de quilômetros mesmo quando não há vento.

Os cientistas há muito se intrigaram ao enigma dos aracnídeos aerodinâmicos que deslizam misteriosamente pelo ar por centenas de quilômetros.

Mais notavelmente, o biólogo Charles Darwin documentou o fenômeno em seu diário no século XIX.

Há muito tempo acreditava-se que o voo dos aracnídeos sem vento se deve a um processo conhecido como "balonismo", em que as aranhas tecem finos fios de seda em que se prendem e com ajuda do vento, as catapultam em grandes distâncias a grandes altitudes.

Mas isso não explicaria como elas conseguem se impulsionar quando não há rajadas de vento, ou em dias nublados e em condições de chuva.

Aranha voadora | Créditos:Texas Hill Country


Bem, os biólogos da Universidade de Bristol afirmam ter encontrado a resposta.

As incríveis aranhas voadoras!

Todos os dias, cerca de 40.000 tempestades crepitam ao redor do mundo, transformando coletivamente a atmosfera terrestre em um gigantesco circuito elétrico. Os limites superiores da atmosfera têm uma carga positiva, e a superfície do planeta tem uma carga negativa. Mesmo em dias ensolarados com céu sem nuvens, o ar carrega uma voltagem de cerca de 100 volts para cada metro acima do solo. Em condições de nevoeiro ou tempestade, esse gradiente pode aumentar para dezenas de milhares de volts por metro.

Aranhas balonadas operam dentro deste campo elétrico planetário. Quando sua seda deixa seu corpo, ela normalmente capta uma carga negativa. Isto repele as cargas negativas similares nas superfícies sobre as quais as aranhas se sentam, criando força suficiente para elevá-las para o ar. E as aranhas podem aumentar essas forças subindo em galhos, folhas, ou lâminas de grama. As plantas, sendo aterradas, têm a mesma carga negativa que o solo sobre o qual crescem, mas se projetam para o ar carregado positivamente. Isto cria campos elétricos substanciais entre o ar ao seu redor e as pontas de suas folhas e galhos - e as aranhas baloiçando a partir dessas pontas.

Esta ideia - voo por repulsão eletrostática - foi proposta pela primeira vez no início do século XIX, por volta da época da viagem de Darwin. Peter Gorham, um físico, ressuscitou a ideia em 2013, e mostrou que ela era matematicamente plausível. E agora, Morley e Robert a testaram com aranhas reais.

Primeiro, eles mostraram que as aranhas podem detectar campos elétricos. Eles colocaram os aracnídeos em tiras verticais de papelão no centro de uma caixa de plástico, e depois geraram campos elétricos entre o piso e o teto, com campos semelhantes às que as aranhas experimentariam ao ar livre. Estes campos despentearam minúsculos pelos sensoriais nas pernas das aranhas, conhecidos como tricobótrios. "É como quando você esfrega um balão e o segura até os cabelos", diz Morley.

Em resposta, as aranhas executaram um conjunto de movimentos - elas ficaram em pé nas extremidades das pernas e levantaram o abdômen no ar. "Esse comportamento só é visto antes do balonismo", diz Morley. Muitas das aranhas realmente conseguiram decolar, apesar de estarem em caixas fechadas e sem fluxo de ar dentro delas. E quando Morley desligou os campos elétricos dentro das caixas, as aranhas do balonismo caíram.

É especialmente importante, diz Angela Chuang, da Universidade do Tennessee, saber que as aranhas podem detectar fisicamente mudanças eletrostáticas em seu entorno. "É a base para muitas perguntas interessantes de pesquisa", diz ela. "Como as várias forças do campo elétrico afetam a física da decolagem, voo e aterrissagem? As aranhas usam informações sobre as condições atmosféricas para tomar decisões sobre quando quebrar suas teias, ou criar novas?"

As correntes de ar ainda podem desempenhar algum papel no balonismo. Afinal, os mesmos pelos que permitem às aranhas sentir os campos elétricos também podem ajudá-las a medir a velocidade ou a direção do vento. E Moonsung Cho da Universidade Técnica de Berlim mostrou recentemente que as aranhas se preparam para voar levantando suas pernas dianteiras ao vento, presumivelmente para testar o quão forte é.

Ainda assim, o estudo de Morley e Robert mostra que as forças eletrostáticas são, por si só, suficientes para impulsionar as aranhas para o ar. "Esta é realmente uma ciência de primeira linha", diz Gorham. "Como físico, pareceu-me muito claro que os campos elétricos desempenhavam um papel central, mas eu só podia especular sobre como a biologia poderia apoiar isto. Morley e Robert levaram isto a um nível de certeza que excede em muito qualquer expectativa que eu tivesse".

"Acho que Charles Darwin ficaria tão entusiasmado em lê-lo quanto eu fiquei", acrescenta ele.



Fontes:

1, 2, 3





  • Comentários do Blog
  • Comentários do Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

Avaliado item: Conheça as incríveis aranhas voadoras Descrição: Classificação: 5 Revisado por: Como Somos Biologia