RAPIDINHAS

quarta-feira, 16 de dezembro de 2020

Como os insetos se comunicam?

Como as formigas sabem que caminho devem seguir? Que mecanismos algumas mariposas masculinas e femininas usam para se encontrarem quando estão longe? 

Como humanos ao longo da história, os insetos desenvolveram maneiras diferentes de se comunicar uns com os outros.

Continue lendo e veja as diferentes maneiras como esses animais se comunicam:




Linguagem dos insetos

A comunicação é definida como um intercâmbio de informações entre dois (ou mais) indivíduos: o(s) que transmite(m) a mensagem (emissor(es) e o(s) que recebe(m) e processa(m) essa mensagem. Enquanto nos humanos a comunicação passa por um longo processo de aprendizado, nos insetos o mesmo processo tende a ser um mecanismo inato: cada indivíduo recém-nascido tem um vocabulário específico compartilhado apenas com organismos de sua própria espécie.


Por outro lado, tendemos a ver a comunicação como um processo óbvio (se o emissor disser "Obrigado!" esperamos que o receptor diga "De nada" em troca). Nos insetos, assim como em outros animais, a comunicação pode ocorrer de uma forma que a informação não pode ser apreciada por nós (humanos).

Assim, é melhor dizer que a comunicação é um ato ou condição de qualquer parte de um organismo que altera o comportamento de outro organismo. O que isso significa? Que o inseto emissor envia um sinal para o resto dos organismos fazendo alguma ação (por exemplo, um sinal acústico) ou talvez desenvolvendo alguma característica física que informa o resto dos indivíduos de algumas coisas (por exemplo, o padrão de cor das asas de algumas borboletas), a fim de induzir alguma resposta ou mudanças nos receptores que beneficiariam um ou ambos.

  A coloração vistosa de alguns animais de aviso ou também chamada de aposematismo também pode ser considerada um tipo de comunicação. No caso a mensagem deixada é 'não me toque, sou perigoso'.  (Foto: Inzilbeth / Wikimedia Commons / CC-BY-SA 3.0)


Por que os insetos se comunicam?

Os insetos comunicam-se tanto com organismos da mesma espécie (comunicação intra-específica) quanto direta ou indiretamente com organismos de outras espécies (comunicação interespecífica), por muitas razões:

  • Reprodução: para procurar um companheiro, acasalamento;

  • Para identificar membros da mesma espécie ou mesmo para avisar outros organismos de sua própria presença;

  • Para localizar fontes de recursos: alimentos, lugares de nidificação;

  • Como um sinal de alerta para potenciais perigos;

  • Para defender o território;

  • Como uma forma de camuflagem ou de imitar outros organismos (Você quer saber mais sobre mimetismo e camuflagem? clique aqui!).


Linguagem através dos sentidos

Os insetos usam quase todos os sentidos para se comunicar. Ao longo desta seção, analisaremos um a um todos os sistemas de comunicação desenvolvidos nos os insetos através dos "cinco sentidos", assim como alguns dos exemplos mais interessantes.


Comunicação táctil: "O toque".

A comunicação táctil em insetos seria equivalente ao sentido do tato em vertebrados. Embora o sistema nervoso nos insetos esteja subdesenvolvido em comparação com o dos vertebrados, a comunicação tátil se baseia no mesmo princípio: deve ter algum tipo de contato físico direto ou indireto entre o emissor da mensagem e o receptor.


"Tandem running": Siga o líder!

Desde há muito tempo, sabemos que as formigas andam na linha uma após a outra porque algumas delas deixam um rastro químico que o resto dos indivíduos seguem para não se perderem. Mas, além de emitir estes sinais químicos, algumas espécies de formigas parecem estabelecer um sistema estratégico de contato físico conhecido como "tandem running": a formiga localizada atrás toca o abdômen da que está imediatamente antes dela (o líder) com suas antenas; além disso, se o líder deixar de sentir as antenas da que está atrás, o líder vai virar e esperar por aquela que a segue.


 Formigas que se comunicam em tandem. Exemplos de formigas líderes em várias posições. a ' Posição 'para baixo'; b Posição 'Para cima'. (ambas ( a ) e ( b ) estão em caminho tandem para frente). c Posição ' Média '; posição em um caminho tandem inverso e d o ferrão da formiga líder (em círculo) fica saliente a ponta de seu gaseificador para marcação de trilha. Os gaseificadores das formigas seguidoras estão todos na posição do meio. Crédito: https://link.springer.com/article/10.1007/s00114-014-1191-1


Abelhas dançarinas

As abelhas melíferas (Apis mellifera) realizam danças para mostrar a outros membros de suas sociedades onde o néctar está localizado (direção e distância) e também se ele tem uma alta qualidade. As abelhas dançam dentro de suas colmeias, portanto, esta apresentação acontece na escuridão profunda. Então, você vai se perguntar: por que dançar se ninguém o vê? Porque o sentido da visão não é necessário neste caso para transmitir a informação: o resto das abelhas não vão perceber os movimentos em essência, mas somente as vibrações que a abelha dançarina transmite.

Esse vídeo incrível mostra as 'dancinhas' que as abelhas fazem 


Elas realmente se mexem bastante


Comunicação química: "cheiro e sabor" 

A comunicação química é provavelmente o mecanismo de comunicação mais estendido entre os insetos. Neste tipo de comunicação, o emissor dispersa substâncias químicas no ambiente que são detectadas por outros organismos. Existem muitos tipos de substâncias químicas: feromônios (para encontrar um companheiro), aleloquímicos (como sinais de alarme, como um sistema defensivo...), etc.

Ainda mais importante do que como eles dispersam essas substâncias, é o sistema que usam para detectá-las: os insetos têm receptores mais ou menos especializados localizados em suas antenas, suas pernas, etc. Podemos dizer que eles podem saborear e cheirar estas substâncias com quase todas as partes de seu corpo!

As fêmeas de algumas espécies de mariposas emitem feromônios que podem ser detectados mesmo por mariposas machos localizados a quilômetros de distância. É o caso das Pequenas mariposas Imperadoras fêmeas (Saturnia pavonia), que atraem machos localizados a quase 16 km de distância.

Crédito da imagem: Harald Süplfe

A comunicação pode ocorrer entre insetos da mesma espécie ou de espécies diferentes. Euclytia flava é um parasitoide de percevejo que detecta seus hospedeiros pela maneira como cheiram: mais precisamente, detectando as substâncias químicas que os hospedeiros emitem (estes tipos de substâncias que beneficiam o receptor mas não o emissor são conhecidos como cairomônios).

Copyright © 2019 wyldewastelander

Comunicação auditiva: "a audição". 

Os insetos emitem uma grande variedade de sons em diferentes frequências, amplitude e periodicidade, e cada espécie tem um padrão muito bem definido. De fato, somente registrando e analisando os sons dos insetos é que podemos identificar as espécies que os emitiram.

Enquanto os humanos podem detectar sons em uma faixa de 20 a 20.000Hz, os insetos podem emitir e detectar sons acima desta faixa (alguns grilos podem produzir ultrassons acima de 80.000Hz).

As cigarras são surpreendentes por muitas razões: elas permanecem mais de 17 anos no subsolo em estado de ninfa até atingirem a idade adulta e também emitem uma grande variedade de cantos do nascer ao pôr-do-sol durante os meses de verão. Elas emitem estes sons por órgãos estridulatórios localizados no abdômen, e são recebidas por um órgão auditivo localizado em suas pernas ou tórax.

Esses bichinhos podem produzir sons que podem ser ouvidos a quilômetros!

Algumas cigarras são capazes de emitir sons que excedem 120 decibéis (quase atingem o limiar da dor de ouvido humana!). Entretanto, algumas pequenas espécies de cigarras emitem sons em uma frequência tão elevada que não podem ser ouvidas pelos humanos, mas isso pode ser doloroso para outros animais.

Os sons das cigarras têm muitas finalidades, embora o utilizem especialmente para encontrar um companheiro ou para delimitar seu território.

Alguns estudos reforçam a ideia de que os machos de algumas espécies de mosquitos têm uma sensibilidade maior em suas antenas para detectar as vibrações emitidas pelo batimento das asas femininas através do ar.


Comunicação visual: "A visão".

A comunicação visual nos insetos se dá por dois sistemas principais: padrões de cores corporais e sinais de luz (bioluminescência).

Cada espécie tem padrões de cor específicos, que podem ser úteis para identificar membros da mesma espécie, também para atrair um companheiro ou mesmo para alertar outros organismos sobre sua periculosidade (mímica aposemática; veja exemplos clicando aqui), ou para afastar os predadores. Por outro lado, há também espécies que emitem sinais luminosos para atrair outros espécimes (por exemplo, pirilampos ou escaravelhos da família Lampyridae; saiba mais sobre bioluminescência clicando aqui).

Créditos: ruiruitto/Getty Images

Como você viu, os insetos se comunicam de algumas maneiras diferentes. Você se atreve a descobrir como os insetos que vivem perto de você se comunicam?

Por: Jonathan Pena Castro

Fonte:

Baseado na postagem de:

Allyouneedisbiology

  • Comentários do Blog
  • Comentários do Facebook

1 comentários:

Avaliado item: Como os insetos se comunicam? Descri��o: Classifica��o: 5 Revisado por: Como Somos Biologia