RAPIDINHAS

quarta-feira, 2 de dezembro de 2020

Animais extintos que poderiam ser ressuscitados

Uma espécie perdida pode se tornar inextinta? No filme "Jurassic Park" de 1993, os dinossauros são clonados de volta à vida depois que seu DNA é encontrado intacto dentro dos abdomens de antigos mosquitos preservados no âmbar. Enquanto a ciência da clonagem ainda está em sua infância, muitos cientistas acreditam que é apenas uma questão de tempo até que animais extintos voltem a caminhar pela Terra.

Seria possível termos um "Jurassic Park?"  - Créditos da imagem: Elenarts / Shutterstock

Para clonar com sucesso um animal extinto, os pesquisadores precisam encontrar DNA animal que esteja quase totalmente intacto. Algumas espécies têm potencial substancial como candidatas devido à disponibilidade do que é chamado de DNA antigo, ou material genético a partir de fósseis ou artefatos. Por exemplo, animais recentemente extintos, espécimes de museus e espécies preservadas em permafrost durante a última Era do Gelo fornecem o DNA antigo. Isso deixa claro se a tarefa de revivificar ou ressuscitar uma espécie extinta é sensata, ética, segura e acessível.

Devido à enorme quantidade de tempo que passou, os dinossauros são candidatos improváveis. Um Parque Jurássico da vida real é provavelmente melhor reservado para a imaginação, mas um Parque Pleistocênico da vida real? Bem, isso é outra história. 

Aqui está uma lista de 14 animais extintos, considerados candidatos a ressurgirem por clonagem.


1 - Mamute Lanoso


Os mamutes lanosos parecem ser uma excelente escolha para a desextinção. Muitos espécimes de mamutes lanosos permanecem no permafrost da Sibéria. Paleogeneticistas, cientistas que estudam material genético preservado, sequenciaram o genoma do mamute lanoso.

A pesquisa sobre o genoma, assim como o material genético preservado, levou à criação de um mamute lanoso através da clonagem ou da edição do genoma do parente vivo mais próximo, o elefante asiático.

Em um "primeiro passo" para ressuscitar o mamute, pesquisadores da Rússia e da Coréia do Sul estão trabalhando para trazer de volta outro animal extinto, o cavalo Lena, usando células de um potro de 40.000 anos encontrado na Sibéria.

Apesar de todo o entusiasmo que alguns cientistas e muitos não-cientistas têm para a desextinção desta espécie, existem preocupações éticas. Os mamutes lanosos eram animais sociais que viviam em rebanhos. Tentativas de trazer os mamutes lanosos de volta da extinção podem falhar muitas vezes antes do nascimento de um mamute viável. O sucesso na criação de um mamute lanoso deixa o problema de que tipo de vida espera o animal - animal de laboratório, animal de zoológico ou residente do Parque Pleistoceno, uma tentativa de restaurar um ecossistema de estepes na Rússia.


2 - Tigre da Tasmânia


O tigre da Tasmânia, ou tilacino, era um animal notável nativo da Austrália e o maior marsupial carnívoro conhecido dos tempos modernos. Os animais foram extintos ainda na década de 1930, principalmente devido à mudança climática, à caça de recompensas e à falta de diversidade genética.

Por terem sido extintos tão recentemente, os espécimes do animal permanecem intactos, preservados em frascos de coleta. Alguns animais taxidermizados montados em museus também podem ainda conter DNA. Muitas pessoas da Austrália apoiam a desextinção, e o habitat ainda existe. Alguns dos genes do animal já foram expressos com sucesso em um feto de rato depois que os cientistas inseriram os genes do tilacino no genoma do rato. O grande projeto, financiado através do Museu Australiano, para clonar o tilacino, terminou depois que os cientistas não conseguiram obter DNA suficiente para criar uma biblioteca de DNA para a espécie.


3 - Íbex-dos-Pireneus



Ainda acha que a clonagem de animais extintos é impossível? Tecnicamente, já foi feito: o ibex pirenaico, ou bucardo, tornou-se recentemente o primeiro animal extinto a não se tornar extinto - pelo menos, por sete minutos. O feto clonado, que continha o DNA reanimado do último ibex dos Pirineus vivo conhecido, foi levado a termo com sucesso após ter sido implantado no útero de um bode doméstico. Embora o ibex tenha morrido de dificuldade pulmonar sete minutos após o nascimento, o avanço abriu o caminho para programas de preservação de clonagem de espécies extintas.

O último exemplar vivo conhecido do Ibex dos pireneus foi uma fêmea chamada Celia, que foi morta por uma árvore em queda em 2000. Foi o DNA dela que foi usado para criar o clone de curta duração.


4 - Tigre dente de sabre


Olhando para os dentes caninos épicos desses tigres outrora temerosos do Pleistoceno, você pode se perguntar se ressuscita-los é uma boa ideia.

Espécimes fósseis sobreviveram aos tempos modernos graças aos hábitats gelados que outrora vagueavam. Os antigos depósitos de alcatrão, como os dos La Brea Tar Pits, preservaram espécimes intactos, embora a existência de DNA antigo suficiente para criar um banco de dados seja duvidosa.

Este desperta a imaginação e o entusiasmo em um cenário de ficção científica, mas a realidade de encontrar um substituto não relacionado capaz de carregar o embrião, criá-lo e fornecer um habitat adequado significa que este é um tiro no escuro. As diretrizes da UICN certamente parecem recomendar contra ele.


5 - Moa


Estas aves gigantes sem voo, semelhantes em aparência a avestruzes e emas mas sem asas vestigiais, foram outrora as maiores aves do mundo. Viviam em pântanos e foram caçados até a extinção há 600 anos, suas penas e ovos ainda podem ser encontrados relativamente intactos. Os cientistas extraíram o DNA do moa de antigas cascas de ovos e mapearam o genoma. Os cientistas não são tão entusiastas quanto alguns políticos sobre as chances de um clone moa bem sucedido e a reintrodução da espécie.


6 - Dodô


Talvez o mais notório animal extinto do mundo, o dodô, tenha sido levado à extinção em apenas 80 anos após sua descoberta. Como o habitat da ave na ilha de Mauritius não continha predadores naturais, a seleção natural fraca o tornou o vulnerável, sem praticamente nenhum instinto defensivo. Esta falta de instintos levou à extinção através de marinheiros capazes de matá-los rapidamente para se alimentarem. As espécies invasivas introduzidas a partir dos navios dos marinheiros comeram a vegetação que formava a dieta do dodô, assim como os ovos do dodô, criando o fator primário causador de sua extinção.

Os cientistas esperam recuperar o dodô se reunirem DNA suficiente para criar um clone para implantar nos ovos dos pombos modernos intimamente relacionados.


7 - Preguiça gigante


Olhando para os restos fósseis ou modelo desta antiga criatura você poderia acreditar que está olhando para um urso gigante. Estes enormes animais eram preguiças gigantes, mais intimamente relacionadas com a preguiça dos tempos modernos de três dedos. Eles estão na lista de desextinção porque as preguiças terrestres gigantes ainda andavam pela Terra há 8.000 anos, no alvorecer da civilização humana. Amostras de DNA já foram extraídas de restos de pelos intactos.

Como os únicos parentes sobreviventes da preguiça gigante são minúsculos em comparação, é impossível encontrar uma mãe substituta. Mas talvez um dia seja possível desenvolver um feto em um útero artificial.


8 - Periquito-da-carolina


Uma vez considerada a única espécie de papagaio nativo dos Estados Unidos, o periquito da carolina foi tragicamente levado à extinção depois de ser caçado por suas penas, que eram populares em chapéus de senhoras. O último espécime conhecido morreu em 1918. Como aves empalhadas, penas remanescentes e cascas de ovos permanecem em circulação em museus, e a extração de DNA e a clonagem da espécie poderia se tornar uma possibilidade em breve.

Há um projeto em andamento para implantar um genoma do periquito Carolina no ovo de um parente, o periquito Jandaya. A favor da ave: há suficiente hábitat adequado para a ave habitar, mas isso aumenta o risco de que a ave possa se tornar uma espécie invasiva.


9 - Rinoceronte lanoso


O mamute lanoso não era a única criatura maciça e peluda na tundra fria do Pleistoceno. O rinoceronte lanoso também pisou a neve do Ártico há 10.000 anos. O animal também aparece frequentemente na antiga arte rupestre, como na caverna Chauvet-Pont-d'Arc, na França.

Os rinocerontes lanosos compartilham muitos dos mesmos prós dos candidatos como o mamute lanoso. Espécimes bem preservados frequentemente ficam expostos no permafrost ártico. Os cientistas têm sequenciado com sucesso o DNA e um rinoceronte atual pode potencialmente carregar o embrião. Entretanto, esta vítima da mudança climática carece de áreas adequadas para o repovoamento. O habitat que permanece está encolhendo rapidamente devido à mudança climática antropogênica.


10 - Pombo Passageiro



Há 200 anos atrás, bandos de pombos passageiros, em número de bilhões, cobriram o céu norte-americano. Em 1914, campanhas de caça impiedosas dizimaram a espécie.

Agora, graças à tecnologia de clonagem, o animal que já foi a ave mais numerosa da América do Norte pode ter uma segunda chance. Espécimes de museu, penas e outros remanescentes destas aves ainda existem, e por estarem tão intimamente relacionados com a pomba comum, seria fácil encontrar uma mãe de aluguel.

Revive and Restore, uma organização que procura ativamente recuperar espécies extintas, tem um projeto bem encaminhado. Eles afirmam que o retorno dos pombos passageiros às florestas da América do Norte servirá como uma espécie crítica para a conservação desse ecossistema.


11 - Alce irlandês


Outra megafauna a ser vítima do fim de uma era glacial foi o alce irlandês. Chamar este animal de alce é um nome errado, pois a análise de DNA mostrou que ele estava mais intimamente relacionado com os cervos. Estes resultados tornam o alce irlandês o maior cervídeo que já viveu. Seus chifres, por si só, mediam até 12 pés de diâmetro.

Como com outros animais que viveram no norte gelado durante o Pleistoceno, espécimes preservados do alce irlandês podem ser prontamente encontrados no derretimento do permafrost, tornando-o um candidato primordial para ser clonado tecnicamente. A realidade de que a incapacidade de lidar com o clima quente levou à sua primeira extinção e a falta de qualquer habitat para grandes mamíferos na Irlanda significa que esta espécie só teria futuro como zoológico ou animal de laboratório.


12 - Golfinho do Rio Baiji



Declarado "funcionalmente extinto" em 2006, o golfinho do rio Baiji tornou-se o primeiro cetáceo a ser extinto nos tempos modernos, devido à influência humana. Devido à sua recente extinção, no entanto, o DNA ainda pode ser facilmente extraído dos restos mortais.

Como em muitas espécies extintas, a questão permanece se o golfinho do rio Baiji teria um lar para onde voltar após ser ressuscitado. O sistema do rio Yangtze, o habitat natural deste golfinho, permanece fortemente poluído. Atualmente não há apoio governamental ou dinheiro suficiente para corrigir as questões que levaram à extinção do golfinho em primeiro lugar. A poluição industrial criada durante a fabricação de muitos produtos enviados ao Ocidente, incluindo bens domésticos comuns, peças e materiais eletrônicos e artigos de moda, impulsiona a poluição. Outra fonte, agora remediada, foi a enorme quantidade de plásticos que o mundo ocidental embarcou para a China em nome da reciclagem. A China proibiu essas importações em 2018.


13 - Huia



Esta ave de bico único, outrora endêmica da Ilha do Norte da Nova Zelândia, foi extinta no início do século 20, após a demanda dos museus por espécimes empalhados ter atingido um pico. Devido em parte à popularidade da ave como mascote e símbolo nacional na Nova Zelândia, foi lançado em 1999 um projeto para clonar e ressuscitar a huia. O mapeamento do genoma tem sido bem sucedido.

Infelizmente, o Kokako da Ilha Sul, a espécie mais relacionada com a huia, pode já ter se juntado à huia em extinção. A outra espécie intimamente relacionada, a Kokako da Ilha Norte, atualmente listada como quase ameaçada pela IUCN, também enfrenta a erradicação devido à introdução de espécies invasoras em seu ecossistema. Os esforços para trazer de volta os huia podem acabar utilizando dinheiro que preserva efetivamente as espécies existentes.


14 - Neanderthal



O Neanderthal é talvez a espécie mais controversa elegível para clonagem, principalmente devido à logística: As espécies substitutas seríamos nós.

Um clone do Neandertal também seria provavelmente mais viável. Os cientistas já completaram um rascunho do genoma do Neandertal, por exemplo. Como o membro mais recentemente extinto do gênero Homo, os Neandertais são amplamente considerados uma subespécie do homem moderno.

A questão não é tanto "poderíamos fazer isto?", mas "deveríamos?". As considerações éticas parecem superar as técnicas no caso dos Neandertais. Uma declaração das Nações Unidas e muitos países proíbem a clonagem de seres humanos.

A clonagem de Neandertais é controversa, mas também pode ser esclarecedora. Ela também poderia fortalecer o genoma humano, acrescentando vigor híbrido à espécie quando humanos e povos Neandertais acasalassem e criassem descendência.

Tirando o fato ético, também há as questões técnicas. As primeiras experiências poderiam resultar em natimortos ou defeitos incompatíveis com a vida. Se bem sucedida, não há como saber se a criança teria imunidade a bactérias e vírus modernos. Há também um debate sobre se os Neandertais teriam a capacidade de se comunicar e administrar independentemente as funções da vida diária moderna.


Por: Jonathan Pena Castro


Fonte:

Baseado na postagem de Treehugger 

  • Comentários do Blog
  • Comentários do Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

Avaliado item: Animais extintos que poderiam ser ressuscitados Descrição: Classificação: 5 Revisado por: Como Somos Biologia