RAPIDINHAS

quarta-feira, 25 de novembro de 2020

Descubra os fantásticos micro animais: eles estão por toda a parte!

Você nunca está sozinho. Neste exato momentos, embaixo da sua cama há uma infinidade de micro animais. Eles estão em seu armário e no porão também - e na sua pele. Você pode não estar ciente deles porque eles têm apenas alguns micrômetros de comprimento.

Graças à tecnologia, somos capazes de espreitar os mais pequenos recantos do mundo natural - até a escala atômica. E nas profundezas deste microcosmos, você encontrará um ecossistema movimentado, povoado por criaturas muito reais que se alimentam de restos de seu corpo, como sua pele por exemplo.

Micro animais são animais tão pequenos que só podem ser observados visualmente sob um microscópio. Ao contrário da maioria dos outros microrganismos, que são unicelulares, os micro animais são únicos porque são multicelulares, como todos os outros animais.

Nós, humanos, somos animais macroscópicos e compartilhamos algumas características comuns a outros. Gatos e cães, por exemplo, são companheiros mamíferos que por acaso têm olhos grandes e expressivos como um bebê humano - então eles foram convidados a entrar em nossas casas como membros adoráveis da família. Entretanto, quanto mais nos afastamos de nosso ramo na árvore evolutiva, menos "bonitinhos" encontramos as criaturas: Os tubarões? Assustadores! Os insetos? Que nojo! Pepino do mar? Afastem esse ranho diabólico de mim!!

Então, talvez não seja surpresa que muitos se surpreenderão ao descobrir os diferentes e não tão conhecidos micro animais. 

Mas não deixe que seus tamanhos minúsculos e suas morfologias pouco convidativas o engane - esses pequenos animais são extremamente vitais para o planeta como um todo, seja para o melhor ou para o pior. Alguns podem disseminar doenças, claro, mas também há muitos, a grande maioria por sinal, que quebram a matéria orgânica fundamental para construção da próxima geração de seres vivos. É o equilíbrio biológico em ação!

Então, sem mais delongas, vamos aos micro animais:

1. Megaphragma mymaripenne




É uma vespa de tamanhos microscópicos. Com 200 μm de comprimento, é o terceiro menor inseto existente, comparável em tamanho aos organismos unicelulares. Tem um sistema nervoso altamente reduzido, contendo apenas 7.400 neurônios, várias ordens de magnitude menor que em insetos maiores (por exemplo, uma abelha de mel tem cerca de 850.000). Este é o menor número conhecido de neurônios em todos os insetos e em todos os animais voadores. Sua vida média na idade adulta é de 5 dias. Apesar de seu sistema nervoso reduzido, as vespas adultas retêm a capacidade de voar, de se alimentar e de localizar hospedeiros nos quais possam depositar seus ovos. Para emergir, as vespas cortam um buraco de 80-90 μm quase circular nos ovos.

*O segundo menor inseto do mundo é um parente próximo de M. mymaripenne, chamado Megaphragma caribea, ligeiramente menor, com 170 micrômetros. O recordista é mais uma vespa - Dicopomorpha echmepterygis. Os machos, cegos e sem asas, têm apenas 130 micrômetros de comprimento. As fêmeas são ligeiramente maiores que a M. caribea.



As vespas Dicopomorpha echmepterygis apresentam dimorfismo sexual pronunciado . Esquerda - feminino (esquerdo) e masculino; foto tirada com um microscópio de campo claro. A direita está o parátipo fixado em resina. Imagens de P. J. Huber, JF. Landry, 1999.

2. Ácaro da Coceira da Palha (Pyemotes tritici)


Embora medindo apenas cerca de 0,2 milímetros. É uma espécie de ácaro conhecido como ácaro da coceira de grãos ou ácaro da palha. É uma espécie cosmopolita encontrada em palha, feno e grãos armazenados. É um parasita de pequenos artrópodes e está sendo investigado como um possível controle biológico de pragas de produtos armazenados. É conhecido também por ser causador de dermatites em humanos, e erupção cutânea que leva a coceiras.


2. Ácaro do pó (Dermatophagoides farina)

Pode ser que você não saiba, mas existem milhões, se não bilhões, dessas pequenas criaturas em toda a sua casa agora mesmo, alimentando-se da pele morta de você, sua família e seus animais de estimação. O ácaro Dermatophagoides é considerado o principal agente causador de alergia respiratória no Brasil junto com outro ácaro conhecido como Blomia tropicalis.

Pode causar sensibilização e crises de asma e rinite alérgica em indivíduos susceptíveis, através da inalação de partículas provenientes do corpo e principalmente de suas fezes (bolotas fecais), onde encontram-se enzimas digestivas como proteases que são altamente sensibilizantes.

São nômades e encontrados no ambiente doméstico em grupos, infestando todos os locais da residência, sobretudo onde encontrar alimentos em abundância como travesseiros, colchões, almofadas, sofás de pano, tapetes, bichos de pelúcia, etc.


3. O Nemátodo do Cisto da Soja (Heterodera glycines)


O nemátodo do cisto de soja, Heterodera glycines, é um nematoide parasita de plantas e uma praga devastadora da soja em todo o mundo. Ele infecta as raízes da soja e o nematoide feminino acaba se tornando um cisto. Embora a maioria seja pequena demais para ser vista, o nematódeo feminino inchará temporariamente o suficiente para se tornar visível ao olho humano nu, porém o macho permanece microscópico durante todo o seu ciclo de vida.


4. Copépode + Vibrio cholerae


O que você vê aqui é na verdade um dos assassinos mais ativos do mundo e seu cúmplice involuntário. À direita, você vê um copépode, um pequeno crustáceo zooplanctônico (normalmente, não chega a mais que 2 milímetros) que - apesar de suas aparências - representa pouco perigo para os humanos. À esquerda, você vê uma coleção de esporos dormentes da bactéria  Vibrio cholerae, comumente conhecida simplesmente como "cólera".

Os cientistas há muito ponderaram sobre o mecanismo pelo qual a cólera aparentemente desapareceria de um ambiente apenas para aparecer esporadicamente de novo. Eles determinaram que se as condições não forem adequadas para a V. cholerae, ela transforma-se em um esporo e se mantém móvel ao pegar carona nas costas do copépode ou colonizar seus intestinos.

5 - Urso d'água (Tardígrado)


Tardígrados, conhecidos coloquialmente como ursos de água ou leitões do musgo são um filo de micro animais segmentados de oito pernas. Foram descritos pela primeira vez pelo zoólogo alemão Johann August Ephraim Goeze em 1773, que os chamou de ursinhos de água. Em 1777, o biólogo italiano Lazzaro Spallanzani os chamou de Tardigrada, que significa "andadores vagarosos".

Eles são encontrados em todos os lugares, desde o topo das montanhas até os vulcões de mar profundo e lama e das florestas tropicais até a Antártida. Eles estão entre os animais mais resistentes conhecidos, com espécies individuais capazes de sobreviver a condições extremas - tais como exposição a temperaturas extremas, pressões extremas (tanto altas quanto baixas), privação de ar, radiação, desidratação e fome -  o que rapidamente matariam a maioria das outras formas de vida conhecidas. Os Tardígrados sobreviveram à exposição ao espaço exterior. Existem cerca de 1.300 espécies conhecidas no filo Tardigrada, uma parte do superfilo Ecdysozoa, que consiste em animais que crescem por ecdises como artrópodes e nematódeos. Os primeiros membros verdadeiros conhecidos do grupo foram descobertos no âmbar do período Cretáceo na América do Norte, mas são essencialmente formas modernas e, portanto, provavelmente têm uma origem significativamente anterior, já que divergiram de seus parentes mais próximos no Cambriano, há mais de 500 milhões de anos.

Os tardígrados têm geralmente cerca de 0,5 mm de comprimento quando totalmente desenvolvidos. São curtos e roliços, com quatro pares de pernas, cada um terminando em garras (geralmente quatro a oito) ou discos de sucção. Eles são predominantes em musgos e líquens e se alimentam de células vegetais, algas e pequenos invertebrados. Quando coletados, eles podem ser vistos sob um microscópio de baixa potência, tornando-os acessíveis a estudantes e cientistas amadores.

6 - Rotíferos





Os rotíferos (do latim rota "roda" e -fer "rolamento"), comumente chamados de animais de roda ou de "rolamento", compõem um filo (Rotifera) de animais microscópicos e quase microscópicos pseudocoelomatosos.

Eles foram descritos pela primeira vez pelo Rev. John Harris em 1696, e outras formas foram descritas por Antonie van Leeuwenhoek em 1703. A maioria dos rotíferos tem cerca de 0,1-0,5 mm de comprimento (embora seu tamanho possa variar de 50 μm a mais de 2 mm) e são comuns em ambientes de água doce em todo o mundo com algumas espécies de água salgada.

Alguns rotíferos são nadadores livres e verdadeiramente planctônicos e alguns são sésseis. Cerca de 25 espécies são coloniais (por exemplo, Sinantherina semibullata). Os rotíferos são uma parte importante do zooplâncton de água doce, sendo uma importante fonte alimentar e com muitas espécies contribuindo também para a decomposição da matéria orgânica do solo. A maioria das espécies dos rotíferos são cosmopolitas, mas há também algumas espécies endêmicas, como a Cephalodella vittata no Lago Baikal. Evidências recentes de marcadores genéticos por DNA barcode, entretanto, sugerem que algumas espécies 'cosmopolitas', como Brachionus plicatilis, B. calyciflorus, Lecane bulla, entre outras, são na verdade complexos de espécies.

7 - Loricifera

Loricifera (do latim, lorica, corselet (couraça) + ferre, para carregar) é um filo de animais muito pequenos a microscópicos marinhos, com 37 espécies descritas, em nove gêneros. Além destas espécies descritas, há aproximadamente mais 100 que foram coletadas e ainda não descritas. Seus tamanhos variam de 100 μm a 1 mm. Eles se caracterizam por uma caixa externa de proteção chamada lórica e seu habitat é nos espaços entre o cascalho marinho ao qual eles se prendem. O filo foi descoberto em 1983 por Reinhardt Kristensen, em Roscoff, França. Eles estão entre os grupos de Metazoários mais recentemente descobertos. Eles se fixam firmemente ao substrato, e por isso permaneceram por tanto tempo por descobrir. O primeiro espécime foi coletado nos anos 70, e mais tarde descrito em 1983. São encontrados em todas as profundidades, em diferentes tipos de sedimentos, e em todas as latitudes.


Fontes:
1, 2, 3, 4, 5
  • Comentários do Blog
  • Comentários do Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

Avaliado item: Descubra os fantásticos micro animais: eles estão por toda a parte! Descrição: Classificação: 5 Revisado por: Como Somos Biologia