RAPIDINHAS

segunda-feira, 3 de agosto de 2020

10 Incríveis Arquitetos do Reino Animal

Nós humanos sempre pegamos ideias da natureza para construir nossas próprias estruturas, mas os animais são construtores incríveis por direito próprio. Aqui estão 10 animais que rivalizam com os humanos por sua engenhosidade de engenharia.


O ninho do pássaro Bowerbird

Acha que seu apartamento de solteiro é o mais atraente de todos? Pense duas vezes após ver estes ninhos construídos pelo bowerbird (uma espécia de pássaro-construtor), que transforma a arte de construir na arte da sedução. Nativo da Austrália e Nova Guiné, o bowerbird dedica meses a construir elaborados ninhos conhecidos como bowers, visando atrair fêmeas para um dos mais singulares rituais de cortejo da natureza. 



Com até meio metro de altura, os bowers são estruturas trançadas de capim, palha e galhos, de geometria cônica e forradas com musgo. O pássaro, então, o decora com uma variedade de objetos coloridos, incluindo pétalas de flores, tampas de garrafa (infelizmente, ele se depara com este tipo de material), carvão e frutas vermelhas. Curiosamente, a preferência pelas cores varia entre os pássaros, alguns preferindo cores vibrantes enquanto outros apostam em tons mais sóbrios para atrair as parceiras.




Impressionadas pelos bowers, as fêmeas os inspecionam, atraídas para as estruturas de acordo com as cores que mais lhes agradam. Diante da forte competição, os machos também realizam danças de acasalamento, enquanto as fêmeas avaliam os ninhos um a um. Um bower bem feito, somado a uma dança de acasalamento atraente, resultará em um ritual de acasalamento bem sucedido.




Dada a singularidade desse comportamento de acasalamento, estudos foram conduzidos para investigar essas tendências sedutoras. Um artigo publicado na Science descreve um estudo em particular, que investiga os túneis ilusórios criados por uma espécie particular chamada great bowerbirds. Esta espécie cria túneis que se abrem para um espaço central, repleta de ossos e outros objetos atraentes que, de alguma forma, aumentam de tamanho à medida que a distância entre os bowers aumenta. Desta forma, as fêmeas vêem os objetos com o mesmo tamanho, aumentando assim o tamanho real do macho em um truque em perspectiva.


Colmeias de abelhas

As abelhas são insetos incrivelmente industriosos com capacidade de construção sem igual - basta ver suas colmeias! De fato, Thomas Hales, um matemático americano, escreveu uma prova mostrando que as colmeias são as estruturas mais eficientes na natureza.

A equação é chamada de A Conjectura das Colmeias e afirma que "hexágonos regulares fornecem a forma menos perimetral de cercar infinitamente muitas áreas unitárias no plano".

Basicamente, as abelhas descobriram a melhor maneira de separar a superfície de suas colmeias em partes iguais, utilizando o menor perímetro total possível, alcançando assim 100% de eficiência no projeto.




Sociedade de formigas

As formigas são consideradas como alguns dos arquitetos mais conhecidos do mundo animal. As formigas constroem a elaborada estrutura da sociedade, escavando a área com suas mandíbulas, grão por grão. A menos que o solo seque drasticamente, as câmaras manterão sua forma. Mas como as formigas conseguem construir estruturas subterrâneas tão bem planejadas permanece um mistério, segundo o especialista em formigas Walter Tschinkel, da Florida State University.



"Elas fazem isso sem um plano, sem um líder e na escuridão total", diz Tschinkel. Para ter um vislumbre dos elaborados sistemas de passagens que as formigas constroem no subsolo, Tschinkel faz moldes de sociedades de formigas, despejando metal fundido, cera de parafina, ou gesso ortodôntico nas cavidades e depois escavando o resultado.


"Você pode ver que existe uma estrutura em relação à profundidade", diz Tschinkel, observando que as sociedades de formigas têm a maioria de suas câmaras mais próximas da superfície, com câmaras menores, mais espaçadas e mais distantes. "Para isso, as formigas têm que saber onde estão em relação à superfície", diz ele. Como elas fazem isso permanece desconhecido, mas a hipótese de Tschinkel é que as formigas podem medir a profundidade através da detecção do conteúdo de dióxido de carbono no solo (ele descobriu que a quantidade de dióxido de carbono aumenta com a profundidade).


Ninho do tecelão sociável

O pássaro tecelão sociável constrói um ninho que à distância parece como um palheiro gigante que caiu em uma árvore. Mas estas aves africanas são arquitetos especializados, usando uma variedade de materiais diferentes para criar seu bloco de apartamentos. Eles usam varas maiores para criar a estrutura básica, emoldurando o ninho no topo de sua fundação preferida - um poste ou uma árvore com galhos altos. Em vez de drywall, eles reúnem gramíneas secas para formar os limites dos quartos individuais, e alinham cada câmara do ninho com gramíneas e fibras mais macias.



Pode haver centenas de câmaras de nidificação na estrutura maior do ninho, suficientes para acomodar toda a sociedade de aves. Os ninhos maiores são o lar de até 400 aves. Os tecelões sociáveis também instalam um sistema de segurança; cada entrada tem uma linha de picos de palha afiada para afastar os predadores. Eles precisam deles: Outras aves, incluindo aves de rapina, aproveitarão as habilidades de construção do tecelão sociável e construirão seus ninhos em cima da estrutura.


Ninhos de Montezuma oropendola

As aves conhecidas como Montezuma oropendola (Psarocolius montezuma) constroem ninhos bem elaborados em árvores na América Central. Elas usam cipós para tecer os cestos pendentes, agrupando os ninhos em colônias. Eles ancoram os ninhos com as videiras mais fortes, acrescentando outras videiras e fibras pouco a pouco até que os ninhos sejam completados.



Estas estruturas estão frequentemente localizadas em árvores grandes e isoladas, com os ninhos pendurados na extremidade distante e frágil dos galhos - o que desencoraja os macacos invasores de tentar escalar para devorar os preciosos ovos. Essas aves também têm outra maneira de manter os predadores à distância: Eles gostam de construir nas árvores onde vivem os vespões.


Cupinzeiros

Os cupins são mestres construtores. Seus cupinzeiros icônicos podem atingir 3 metros ou mais de altura. Construídos a partir dos restos mastigados de árvores lenhosas, lama e fezes, estes arranha-céus de animais proporcionam todo tipo de conforto para a sociedade de cupins: A excelente circulação de ar permite que o cupinzeiro seja mantido com ar condicionado; a água se acumula com condensação e algumas sociedades mantêm jardins de fungos dentro do monte.




Ninho do João de Barro

A maioria dos ninhos de aves são estruturas arejadas feitas de galhos, mas não este aqui. O joão de barro, uma ave sul-americana, constrói ninhos de terra incomuns em árvores. Ele coleta lama e esterco para criar uma "casa" nos topos das árvores e outras estruturas elevadas. O sol assa o ninho para criar um abrigo endurecido onde as aves podem depositar seus ovos. O ninho é construído para enfrentar também os ventos predominantes, criando um refúgio contra as intempéries.




Cidades dos cães-da-pradaria

Os cães da pradaria escavam suas casas, cavando tocas do chão. Como os cães da pradaria vivem principalmente nas Grandes Planícies da América do Norte, que tem variações climáticas extremas de estação para estação, suas casas são construídas para resistir a temperaturas extremas, enchentes e incêndios.

Câmaras localizadas em diferentes profundidades no solo servem a diferentes propósitos. O viveiro, por exemplo, está localizado nas profundezas do solo onde a temperatura é mais estável e os cães jovens da pradaria são mais bem protegidos dos predadores. Além disso, há câmaras próximas à superfície onde os cães adultos da pradaria podem se abrigar dos predadores que passam, e outras câmaras para armazenar alimentos ou ouvir os predadores.

As tocas de cães da pradaria são agrupadas em "cidades" cobrindo muitos acres, com cinco a 35 cães por acre. Mas antes das pessoas se mudarem para o território dos cães da pradaria, as cidades dos cães da pradaria eram enormes. Uma cidade, descoberta no Texas em 1900, cobria 25.000 milhas quadradas e era o lar de cerca de 400 milhões de cães da pradaria.




Teia de aranha enroladora de folhas

Muitas aranhas fazem teias, é claro, mas a aranha australiana enroladora de folhas (Phonognatha graeffei) utiliza material reciclado para construir uma adição à sua casa. Ela escolhe uma bela folha morta e alinha a folha com seda, enrolando-a para formar um aconchegante lar que é fechado na parte superior e aberto na parte inferior.

Estas aranhas penduram sua criação no centro de uma teia e se abrigam lá enquanto esperam pela presa que passa. Ao se reproduzir, a fêmea constrói outra folha enrolada para ser seu berçário, que ela pendura a alguma distância da teia aninhada na folhagem próxima. Em alguns casos, estas aranhas são conhecidas por utilizarem pedaços descartados de papel ou outro material leve para criar seus abrigos.



Barragem do castor

Sim, os castores são talvez os mais famosos arquitetos de animais, e com razão. Eles derrubam árvores enormes para criar represas, que eles constroem para criar lagos tranquilos onde podem construir suas casas de inverno, ou alojamentos. Entretanto, o que talvez você não saiba é que estes mamíferos, além de serem especialistas em carpintaria, também são habilidosos na resistência às intempéries.

A cada ano eles se preparam para o inverno cobrindo seu alojamento com uma camada fresca de lama, que endurece para criar uma barreira contra o frio e os predadores.



Fontes:

  • Comentários do Blog
  • Comentários do Facebook

2 comentários:

  1. Ninhos de Montezuma oropendola aqui a gente conhece como guaxe

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ótima observação! O pássaro chamado Guaxe (Cacicus haemorrhous) também faz ninhos pendurados, muito parecidos com Montezuma oropendola (Psarocolius montezuma, pássaro de outra espécie!

      Excluir

Avaliado item: 10 Incríveis Arquitetos do Reino Animal Descri��o: Classifica��o: 5 Revisado por: Como Somos Biologia