RAPIDINHAS

sábado, 14 de março de 2020

O que a pandemia da Covid-19 nos ensina, de maneira geral?


Primeiramente, vamos entender o contexto da doença:

Recentemente (11/03) , o surto da Covid-19 (Corona Virus Disease 2019), causado pelo Corona vírus (SARS-Cov-2) foi declarado como uma Pandemia pela Organização Mundial da Saúde - OMS, termo utilizado quando uma epidemia se espalha por proporções intercontinentais.

Os coronavírus (CoV) são uma grande família viral, conhecidos desde meados dos anos 1960, que causam infecções respiratórias em seres humanos e em animais. Geralmente, infecções por coronavírus causam doenças respiratórias leves a moderada, semelhantes a um resfriado comum. A maioria das pessoas se infecta com os coronavírus comuns ao longo da vida, sendo as crianças pequenas mais propensas a se infectarem. Os coronavírus comuns que infectam humanos são 𝛼-coronavírus 229E e NL63 e β-coronavírus OC43, HKU1.

Entretanto, alguns coronavírus podem causar síndromes respiratórias graves, como a síndrome respiratória aguda grave que ficou conhecida pela sigla SARS da síndrome em inglês “Severe Acute Respiratory Syndrome”. SARS é causada pelo coronavírus associado à SARS (SARS-CoV), sendo os primeiros relatos na China em 2002. O SARS-CoV se disseminou rapidamente para mais de doze países na América do Norte, América do Sul, Europa e Asia, infectando mais de 8.000 pessoas e causando entorno de 800 mortes, antes da epidemia global de SARS ser controlada em 2003. Desde 2004, nenhum caso de SARS tem sido relatado mundialmente.

No início do mês de dezembro de 2019, a cidade de Wuhan (na província de Hubei, na China) foi palco da emergência de um novo coronavírus causador de pneumonia potencialmente grave, ao qual foi então batizada inicialmente de 2019-nCoV (ou novo coronavírus de 2019; do inglês novel coronavirus). As análises genéticas realizadas até hoje permitiram verificar que o novo coronavírus pertence ao mesmo agrupamento que inclui o SARS-CoV, identificado há mais de 10 anos. Por essa razão, a designação do novo coronavírus como 2019-nCoV foi substituída por SARS-CoV-2, ou seja, trata-se do segundo coronavírus do grupo SARS. A doença por ele provocada foi, entretanto, igualmente designada de COVID-19 (do inglês coronavirus disease of 2019). 

Estrutura viral - Fonte: Barros, A. R. T

Embora o vírus possa infetar pessoas de todas as idades, ele parece ser particularmente agressivo para indivíduos com idade superior a 65 anos apresentando co-morbilidades (ex: diabetes, hipertensão, problemas hepáticos ou imunossupressão causada, por exemplo, por problemas de âmbito oncológico). É igualmente provável que existam em circulação variantes diferentes deste vírus, as quais podem apresentar diferentes graus de virulência.

Micrografia eletrônica, mostrando os vírus. (Callista Images/Getty Images)
O fato é que o Corona vírus é apenas um das várias espécies virais existentes. No ser humano, há inúmeras doenças que são causadas por esses seres acelulares. Praticamente todos os tecidos e órgãos humanos são afetados por alguma infecção viral.

Precisamos ter em mente que infecções virais como a do Corona é um exemplo de como somos suscetíveis a doenças virais e em questão de pouco tempo elas podem tomar proporções mundiais. Mas o fato é que ela não é nem de perto a mais já preocupante e perigosa registrada. A pandemia viral mais letal da história da humanidade foi a Gripe Espanhola. Durou dois anos (1918-1920) e vitimou entre 17 e 50 milhões de pessoas pelo mundo, podendo chegar até a marca de 100 milhões de mortos, aproximadamente 5% da população mundial na época¹.

Devido ao uso da maquinaria das células do hospedeiro, os vírus tornam-se difíceis de eliminar. As mais eficientes soluções médicas para as doenças virais são, até agora, as vacinas para prevenir as infecções, e drogas que tratam os sintomas das infecções virais.

Os pacientes frequentemente pedem antibióticos, que são inúteis contra os vírus, e seu abuso contra infecções virais é uma das causas de resistência antibiótica em bactérias. Atualmente, a resistência bacteriana por uso indiscriminado de antibióticos é um dos maiores problemas de saúde pública, pois muitos patógenos clinicamente importantes são resistentes para todos ou quase todos antibióticos conhecidos pela indústria farmacêutica. Este fenômeno da resistência bacteriana mundial é assustador, especialmente no ambiente hospitalar¹, até mais alarmante que as infecções virais.


Fontes:

https://www.ecdc.europa.eu/en/publications-data/rapid-risk-assessment-cluster-pneumonia-cases- caused-novel-coronavirus-Wuhan

https://www.who.int/csr/don/en/

https://www.who.int/health-topics/coronavirus

https://www.cdc.gov/coronavirus/2019-ncov/index.html
  • Comentários do Blog
  • Comentários do Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

Avaliado item: O que a pandemia da Covid-19 nos ensina, de maneira geral? Descrição: Classificação: 5 Revisado por: Como Somos Biologia