Cookies management by TermsFeed Cookie Consent Seremos nós algum dia capazes de ressuscitar os mortos? - Como Somos Biologia

RAPIDINHAS

segunda-feira, 1 de agosto de 2022

Seremos nós algum dia capazes de ressuscitar os mortos?

Há poucas coisas na vida mais permanentes e garantidas do que a morte. No entanto, isso não nos impede de imaginar como seria a vida se a morte fosse apenas temporária.


Sabemos que os zumbis não são reais, mas os cadáveres reanimados não são exatamente fruto da imaginação. Os cientistas têm tentado devolver a vida aos mortos há centenas de anos.

No século XIX, o físico Giovanni Aldini tornou-se famoso por suas espetaculares demonstrações de "reanimar" cadáveres humanos e animais, estimulando-os com poderosos choques elétricos. Ele ligava uma bateria para desmembrar humanos ou animais e fazer com que o cadáver convulsasse como se estivesse vivo. Os membros da plateia ficavam impressionados, apesar do fato da criatura nunca ter voltado à vida. Aldini sabia que ele não estava ressuscitando os mortos, mas não se intimidou com a possibilidade, e os cientistas que o seguiram também não. 

Há muito tempo as pessoas no mundo inteiro são fascinadas com a ideia de ressuscitar os mortos, para o bem ou para o mal.

As experiências de Giovanni Aldini com um cadáver humano. Coleção Wellcome, CC BY-SA


Animais zumbi

Na década de 1930, as tentativas de ressuscitar os mortos com a eletricidade já tinham se esfriado, mas o fascínio pela reanimação estava longe de estar no fim. Um dos cientistas mais famosos no campo da reanimação é Robert E. Cornish, um biólogo americano que estudou na Universidade da Califórnia em Berkeley. Cornish teria conseguido reanimar dois cães balançando-os para frente e para trás para circular o sangue enquanto injetava os animais com uma mistura de anticoagulantes e esteroides. Quando Cornish anunciou que estava pronto para realizar seu experimento em humanos, um preso condenado à morte da Califórnia, Thomas McMonigle, voluntariou seu corpo após a execução, mas o Estado da Califórnia negou seu pedido.

Esse seria um dos pobres cães ressuscitados por Cornish (Mad Scientist)

Recentemente, uma equipe de pesquisadores da Universidade de Yale tem feito experiências com a reanimação de cérebros de porco e publicou suas descobertas na revista Nature. Os cientistas restauraram a atividade cerebral e alguma atividade celular em porcos algumas horas após a morte dos animais em um matadouro. Embora algumas células cerebrais tenham recomeçado a funcionar, os pesquisadores enfatizaram que não observaram nenhum tipo de atividade no cérebro dos porcos que seria necessária para o funcionamento normal do cérebro ou coisas como consciência ou percepção. Em resumo, como órgão, não eram cérebros vivos, mas sim cérebros celularmente ativos.

Zumbis humanos

Os zumbis humanos são certamente falsos, mas alguns estudos de casos notáveis sugerem que alguma semelhança de ressurreição espontânea é possível.

Em 2011, a mulher de 46 anos Kelly Dwyer caiu em um lago congelado enquanto caminhava sozinha em New Hampshire, EUA. O coração de Dwyer parou antes que a ambulância pudesse alcançá-la e sua temperatura corporal despencou a quase 15 graus Celsius. Dwyer estava morta há 5 horas quando os médicos desligaram o suporte de vida, e seu coração recomeçou espontaneamente. Após passar duas semanas se recuperando no hospital, Dwyer voltou para casa viva e sem danos ao cérebro. Ela não era uma zumbi, mas, de certa forma, tinha voltado dos mortos.

Já houve pessoas suficientes que voltaram espontaneamente à vida vários minutos após a parada cardíaca que a instância tem seu próprio nome: o fenômeno Lazarus. Nem todas as pessoas que experimentam o fenômeno Lazarus recuperam sua função neurológica plena ou permanecem vivos por muito mais tempo, mas uma revisão de 2007 estimou que cerca de 35% dos pacientes do fenômeno Lazarus retornam a uma vida normal e saudável.

Mesmo depois de centenas de anos de experiências fracassadas, alguns cientistas ainda estão tentando reanimar manualmente os corpos humanos. Durante os últimos anos, a Bioquark, Inc., uma empresa americana de biotecnologia, tem tentado ressuscitar clinicamente mortos, mas já recebeu fortes críticas da comunidade científica. Uma carta publicada na revista Critical Care dizia que "os experimentos beiram a charlatanice", e "morto significa morto".

Por: Jonathan Pena Castro


Fontes:

12.

Próximo
Este é o mais recente post.
Postagem mais antiga
  • Comentários do Blog
  • Comentários do Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

Avaliado item: Seremos nós algum dia capazes de ressuscitar os mortos? Descrição: Classificação: 5 Revisado por: Como Somos Biologia