RAPIDINHAS

segunda-feira, 30 de agosto de 2021

A percepção que você tem das coisas é real? Tem certeza?

A percepção que temos das coisas corresponde ao mundo real, físico, natural?

Nem sempre. Nossos cérebros também dobram inconscientemente nossa percepção da realidade para satisfazer nossos desejos ou expectativas. E eles preenchem as lacunas usando nossas experiências passadas.

Tudo isso pode nos influenciar. As ilusões visuais apresentam desafios claros e interessantes para a forma como vivemos: Como sabemos o que é real? E quando soubermos a extensão dos limites de nosso cérebro, como viver com mais humildade - e pensar com maior cuidado sobre nossas percepções?


Fixe seu olhar no ponto negro do lado esquerdo da imagem abaixo. Mas espere! Termine de ler este parágrafo primeiro. Enquanto você olha para o ponto esquerdo, tente responder esta pergunta: Em que direção o objeto à direita está se movendo? Ele está se movendo na diagonal, ou está se movendo para cima e para baixo?

Lembre-se, concentre-se no ponto à esquerda.


Parece que o objeto à direita se move diagonalmente, para a direita e depois para a esquerda. Não é? Certo?! Na verdade, não está. Está se movendo para cima e para baixo em uma linha reta e vertical.

Veja por si mesmo. Trace-o com o dedo.

Isto é uma ilusão visual. Essa mancha branca e preta alternada dentro do objeto sugere um movimento diagonal e confunde nossos sentidos. Como todos os mal-entendidos, nos ensina que nossa experiência da realidade não é perfeita. Mas esta ilusão particular reforçou recentemente a compreensão dos cientistas de verdades mais profundas, quase filosóficas, sobre a natureza de nossa consciência.

"É realmente importante compreender que não estamos vendo a realidade", diz o neurocientista Patrick Cavanagh, professor de pesquisa na Faculdade de Dartmouth e membro sênior da Faculdade de Glendon, no Canadá. "Estamos vendo uma história que está sendo criada para nós".

Se a ciência nos diz que nossos cérebros estão inventando uma "história" sobre a realidade, não deveríamos estar curiosos e até mesmo procurar as respostas para como essa realidade pode estar errada?

Não se trata de duvidar de tudo o que vem através de nossos sentidos. Trata-se de procurar os nossos pontos cegos, com o objetivo de nos tornarmos melhores pensadores. Também pode ajudar com a empatia. Quando outras pessoas entendem mal a realidade, podemos não concordar com sua interpretação, mas podemos entender de onde ela vem.

Tantas ilusões funcionam assim: Mesmo quando se fala sobre o truque, não se pode desvendar a ilusão. Pegue a ilusão clássica da sombra de damasco de Edward Adelson: 



Os quadrados A e B são exatamente a mesma tonalidade de cinza. Mas quando B é fundido em uma sombra aparente e cercado por azulejos aparentemente mais escuros, ele apenas parece mais claro. Assim, o aparente clareamento do azulejo B é uma história inventada por nossos cérebros. 

A lição: As histórias que nossos cérebros nos contam sobre a realidade são extremamente convincentes, mesmo quando elas estão erradas.

Não estamos vendo a realidade. Nossa visão está 100 milissegundos atrás do mundo real.

Por que estamos vendo uma história sobre o mundo - uma história - e não a verdadeira? Não é porque a evolução fez nossas mentes falharem. Na verdade, é uma adaptação. 

"Não temos a maquinaria necessária, e nem mesmo a queremos, para processar cuidadosamente toda a quantidade de informação com a qual somos constantemente bombardeados", diz Susana Martinez-Conde, uma neurocientista e pesquisadora de ilusões do SUNY Downstate Medical Center.

Pense no que é preciso para perceber algo que se move, como os objetos nas animações acima. Uma vez que a luz atinge a retina na parte de trás de nossos olhos, ela é convertida em um sinal elétrico que então tem que viajar para o sistema de processamento visual na parte de trás de nossos cérebros. De lá, o sinal viaja para frente através de nossos cérebros, construindo o que vemos e criando nossa percepção do mesmo. Este processo leva tempo.

"O pequeno segredo sujo sobre os sistemas sensoriais é que eles são lentos, estão atrasados, não se trata do que está acontecendo agora, mas do que está acontecendo 50 milissegundos atrás, ou, no caso da visão, centenas de milissegundos atrás", diz Adam Hantman, um neurocientista do Campus de Pesquisa Janelia do Instituto Médico Howard Hughes.

Mas se confiássemos apenas nessas informações desatualizadas, não seríamos capazes de praticar esportes intensos, nem de esmagar moscas irritantes longe de nossas faces. Seríamos menos coordenados, e possivelmente nos machucaríamos com mais frequência.

Portanto, o cérebro prevê o caminho do movimento antes que ele aconteça. Ele nos conta uma história sobre para onde o objeto está indo, e esta história se torna nossa realidade. É isso que provavelmente está acontecendo com a ilusão abaixo. Acontece o tempo todo.

Não acredita nisso? Veja por si mesmo. Aqui está uma simples ilusão que revela que nosso sistema visual está um pouco atrasado.


É a chamada ilusão do flash-lag. O ponto vermelho se move através da tela, e o ponto verde pisca exatamente quando o ponto vermelho e o ponto verde estão em perfeito alinhamento vertical. No entanto, é incrivelmente difícil ver o ponto vermelho e o ponto verde como estando alinhados verticalmente. O ponto vermelho sempre parece estar um pouco mais à frente.

Este é nosso cérebro prevendo o caminho de seu movimento, contando-nos uma história sobre onde ele deveria estar e não onde ele está. 

Cavanagh e Stuart Anstis, da UCSD, projetaram uma versão mais elaborada da ilusão do flash-lag. No GIF abaixo, você verá caixas vermelhas e azuis piscando. As caixas têm o mesmo tamanho e estão posicionadas no mesmo lugar, mas a caixa vermelha parece menor. É o movimento do fundo que nos confunde. "O sistema visual assume que [as caixas] estão se movendo também, e conseguimos vê-las onde elas estariam se tivessem continuado com o movimento do fundo", diz Cavanagh. 


Na opinião da Hantman, o que experimentamos como consciência é principalmente a previsão, não a alimentação em tempo real. A informação sensorial real, explica ele, serve apenas como correção de erros. "Se você estivesse sempre usando informações sensoriais, os erros se acumulariam de maneiras que levariam a efeitos bastante catastróficos em seu controle motor", diz Hantman. Nosso cérebro gosta de prever o máximo possível, então usa nossos sentidos para corrigir quando as previsões correm mal.

Isto é verdade não apenas por nossa percepção do movimento, mas também por muita da nossa experiência consciente.

As histórias que nosso cérebro conta são influenciadas pela experiência de vida

O cérebro nos conta uma história sobre o movimento dos objetos. Mas essa não é a única história que ele conta. Ele também nos conta histórias sobre aspectos mais complicados de nosso mundo visual, como a cor. 

A cor é uma inferência que fazemos, e serve para tomar decisões significativas sobre objetos no mundo. Mas se nossos olhos agissem como instrumentos científicos descrevendo comprimentos de onda de luz precisos, eles seriam constantemente enganados. O vermelho pode não parecer vermelho quando banhado em luz azul.

Quando pensamos que um objeto está sendo banhado com luz azul, podemos filtrar essa luz azul de forma intuitiva. É assim que muitas dessas ilusões de cor funcionam. Usamos as dicas de cor ao redor e suposições sobre a iluminação para adivinhar a verdadeira cor de um objeto. Algumas vezes essas suposições estão erradas, e outras vezes fazemos suposições diferentes das outras. Os neurocientistas têm algumas novas e intrigantes ideias sobre por que nossas percepções podem divergir umas das outras.

Você se lembra de famoso vestido, né?


Em 2015, uma foto ruim de celular de um vestido em uma loja do Reino Unido dividiu as pessoas através da internet. Alguns veem este vestido como azul e preto; outros o veem como branco e dourado. Pascal Wallisch, um neurocientista da Universidade de Nova York, acredita ter descoberto a diferença entre esses dois grupos de pessoas.

A hipótese de Wallisch é que as pessoas fazem suposições diferentes sobre a qualidade da luz que está sendo lançada sobre o vestido. Será que é em plena luz do dia? Ou sob uma lâmpada de iluminação interna? Ao filtrar inconscientemente a cor da luz que pensamos estar caindo sobre um objeto, chegamos a um julgamento sobre sua cor.

Para aprofundar o estudo destes fenômenos, Wallisch criou até mesmo uma nova imagem destinada a provocar percepções divergentes baseadas em características pessoais. 



Aqui, uma imagem de Crocs e meias altas é apresentada sem muito contexto. De que cor você acha que The Crocs são? Em um estudo inédito, Wallisch descobriu que as pessoas os veem como uma cor rosa ou cinza-esverdeada. Resume-se a suas suposições sobre o tipo de luz que está sendo lançada sobre os Crocs, bem como se você espera que as meias deste estilo sejam brancas. "Estes crocs são na verdade cor-de-rosa na vida real", diz Wallisch. 

Quando confrontados com a ambiguidade - como a estranha iluminação na foto do vestido - nossos cérebros preenchem a ambiguidade usando o que nos é mais familiar. "As pessoas assumem o que veem mais", diz Wallisch. Se estivermos mais familiarizados com a luz brilhante e ensolarada, assumimos que essa é a iluminação padrão.

Mas não temos como saber como nossas experiências guiam nossa percepção. "Seu cérebro faz muitas inferências inconscientes, e ele não lhe diz que é uma inferência", explica ele. "Você vê o que quer que veja. Seu cérebro não lhe diz: 'Eu levei em conta a quantidade de luz do dia que eu vi em minha vida'".

Acredita-se que outra ilusão dos livros didáticos, o triângulo Kanizsa, também funciona um pouco assim. Nesta ilusão, as formas semelhantes ao Pac-Man dão a impressão de um triângulo em nossas mentes. Parece que um triângulo está lá porque estamos acostumados a ver triângulos. Só precisamos da sugestão de um - implícita através dos cantos - para preencher o resto do quadro com nossas mentes.


Em 2003, a revista Nature Neuroscience publicou um artigo sobre o caso de um homem (chamado "Paciente MM") que perdeu sua visão aos 3 anos de idade e a teve restaurada por intervenção cirúrgica na casa dos 40 anos. Em um estudo, ele não caiu em uma ilusão como esta. Ele não podia ver o triângulo ilusório (no caso daquela experiência, era um quadrado). Pode ser que uma vida inteira de olhar para triângulos seja o que faz o resto de nós ver um tão claramente nesta imagem. O paciente MM não construiu uma vida inteira de experiências visuais para fazer previsões sobre o que ele viu. Ele teve que construí-las a partir do zero.

Abaixo, as linhas horizontais são na verdade paralelas, e não são nada inclinadas.

Veja a distância entre elas no início e no final de cada linha se você não acredita.


Alguns desses exemplos podem parecer frívolos. Por que importa que uma pessoa veja um vestido como preto e azul e outra como branco e dourado?

É importante porque os cientistas acreditam que os mesmos processos básicos estão subjacentes a muitas de nossas percepções e pensamentos mais complicados. A neurociência, portanto, pode ajudar a explicar a teimosa polarização em nossa cultura e política, e por que somos tão propensos a raciocínios motivados.

Às vezes, especialmente quando as informações que estamos recebendo não são claras, vemos o que queremos ver. No passado, os pesquisadores descobriram que mesmo pequenas recompensas podem mudar a maneira como as pessoas percebem os objetos. Tomemos esta imagem clássica usada em estudos psicológicos. O que você vê?


É um cavalo ou uma foca deitada

Assim como podemos olhar para uma imagem e ver coisas que não estão realmente lá, podemos olhar para o mundo com percepções distorcidas da realidade. Cientistas políticos e psicólogos há muito documentam como os partidários políticos percebem os fatos dos eventos atuais de forma diferente, dependendo de suas crenças políticas. As ilusões e o pensamento político não envolvem os mesmos processos cerebrais, mas seguem a forma similar e abrangente como o cérebro funciona.

De certa forma, pode-se pensar no preconceito como uma ilusão social. Estudos descobrem que muitas pessoas percebem que os homens negros são maiores (e, portanto, potencialmente mais ameaçadores) do que realmente são, ou geralmente associam tons de pele mais escuros e certas características faciais à criminalidade. Os policiais podem confundir as pessoas que tiram carteiras de seus bolsos com pessoas que procuram por armas, muitas vezes com consequências trágicas. Isto não quer dizer que todos os casos de preconceito são descuidados - muitos são decretados com clara intenção maligna, mas também podem ser construídos a partir de anos de experiência em uma sociedade injusta ou como resultado de racismo sistêmico.

Nossos cérebros trabalham arduamente para dobrar a realidade para atender nossas experiências anteriores, nossas emoções e nosso desconforto com incerteza. Isto acontece com visão. Mas também acontece com processos mais complicados, como pensar na política, na pandemia, ou na realidade da mudança climática.

A neurociência é profundamente humilde

Não leiam isto e pensem que não podemos acreditar em nossos olhos, ou que não podemos incorporar evidências em nosso pensamento. Podemos buscar fontes de informação verificadas. Podemos recorrer à perícia e também questioná-la com seriedade. 

As ilusões e a ciência por trás delas levantam uma questão: Como vivemos nossas vidas sabendo que nossas experiências podem estar um pouco erradas?

Não há uma resposta. E é um problema que dificilmente poderemos resolver individualmente. A resposta provável nos incita a sermos mais humildes intelectualmente e a cultivar o hábito de buscar perspectivas que não são as nossas. Devemos ser curiosos sobre nossas imperfeições, pois essa curiosidade pode nos levar mais perto da verdade. Podemos construir culturas e instituições que celebrem a humildade e reduzam o custo social de dizer: "Eu estava errado".

Mas as ilusões nos lembram que isso não acontece. É por isso que as ilusões não são apenas ciência - são arte provocativa. Elas nos obrigam a reinterpretar nossos sentidos, e nosso senso de estar no mundo. Elas nos falam sobre a verdadeira natureza de como nossos cérebros funcionam: A mesma maquinaria neurológica que nos leva a descobrir a verdade pode nos levar a perceber ilusões, e nossos cérebros nem sempre nos dizem a diferença.

Estes morangos parecem ser vermelhos, mas os pixels reais que compõem a imagem ou são cinzas ou ciano. Cortesia de Akiyoshi Kitaoka


Fontes: Baseado no excelente post de Neuroscience Stanford

  • Comentários do Blog
  • Comentários do Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

Avaliado item: A percepção que você tem das coisas é real? Tem certeza? Descrição: Classificação: 5 Revisado por: Como Somos Biologia