RAPIDINHAS

sábado, 12 de junho de 2021

O que é o amor?

O amor é profundamente biológico e tem um efeito profundo em nosso estado mental e físico. Um 'coração partido' ou um relacionamento fracassado pode ter efeitos desastrosos; o luto perturba a fisiologia humana e pode até precipitar a morte. Sem relacionamentos amorosos, os humanos deixam de florescer, mesmo que todas as suas outras necessidades básicas sejam atendidas.



Como tal, o amor claramente não é "apenas" uma emoção; é um processo biológico dinâmico e bidirecional em várias dimensões. As interações sociais entre indivíduos, por exemplo, desencadeiam processos cognitivos e fisiológicos que influenciam os estados emocionais e mentais. Por sua vez, essas mudanças influenciam as futuras interações sociais. Da mesma forma, a manutenção de relacionamentos amorosos requer feedback constante por meio de sistemas sensoriais e cognitivos; o corpo busca o amor e responde constantemente à interação com os entes queridos ou à ausência dessa interação [1].

Mais simplesmente, o amor romântico é dividido em três fases: luxúria, atração e apego. Cada categoria é identificada por um conjunto de hormônios liberados do cérebro. A luxúria libera testosterona e estrogênio, enquanto o segundo estágio, atração, esta é a fase verdadeiramente apaixonada, libera dopamina, serotonina e noradrenalina - os hormônios que nos dão as sensações calorosas e confusas. No estágio final, a fixação, o cérebro libera oxitocina e vasopressina. Enquanto a ocitocina nos dá uma onda de emoções positivas, a vasopressina está ligada à mobilização física e emocional. Biologicamente, ajuda a apoiar a vigilância e os comportamentos necessários para proteger o parceiro.

O fluxo sanguíneo para o centro de prazer do cérebro acontece durante a fase inicial de atração, também conhecida como “fase da lua de mel”, quando sentimos uma fixação obsessiva em nosso parceiro. è nessa fase que podemos até perder o apetite e precisar dormir menos, preferindo passar horas sonhando acordados com seu novo amante. Esse comportamento diminui ainda mais no relacionamento na fase de atração, à medida que o corpo desenvolve uma tolerância à liberação de estimulantes do prazer, ou seja o corpo se acostuma com a liberação desses estimulantes. Mas, isso não quer dizer que o amor acabou, só está indo para uma fase mais duradora. Durante a fase de adesão, a vasopressina e a ocitocina criam uma sensação de segurança que permanece no corpo por meio de relacionamentos duradouros [2].

O amor depende de processos complexos fenômenos bioquímicos no cérebro, processos complexos que envolvem o corpo como um todo. Realmente podemos dizer que está rolando química entre os apaixonados.



Fontes: [1].[2].[3]

Adriana Cordeiro

  • Comentários do Blog
  • Comentários do Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

Avaliado item: O que é o amor? Descrição: Classificação: 5 Revisado por: Adriana Cordeiro