RAPIDINHAS

segunda-feira, 21 de dezembro de 2020

É hora de morfar: A transformação dos animais!

É hora de morfar! Nesse momento já deve vir em sua cabeça a musiquinha dos Power Rangers, quando se preparavam para morfar e lutar contra as forças do mal.

O que na fantasia o ato de morfar fazia os heróis destemidos trocarem suas vestes para lutar, na biologia o ato de morfar, ou metamorfosear leva a uma transformação necessária ao crescimento.

A metamorfose é um processo biológico pelo qual os animais se desenvolvem após o nascimento envolvendo enormes transformações e/ou reestruturações anatômicas (tanto fisiológicas quanto anatômicas) até atingirem a idade adulta.

Há diferentes grupos de animais que se desenvolvem por este processo, porém a maioria deles não compartilha a origem nem a natureza destas transformações. Assim, enquanto a metamorfose anfíbia ocorre pela reorganização dos órgãos pré-existentes da juventude, nos insetos ocorre uma ruptura dos tecidos e também o aparecimento de aglomerados celulares totalmente novos.


A metamorfose nas borboletas envolve uma reorganização tecidual interna completa do animal


Tendo em vista isso, confira abaixo nossa seleção de metamorfoses incríveis do mundo animal:


1. JOANINHAS (Coleoptera)

Ao falar em joaninha, muito provavelmente já vem em sua cabeça o pequeno inseto vermelho de bolinhas pretas nas asas. Muitas joaninhas (insetos da ordem dos coleópteros) poderiam ser assim descritas em suas cores. Mas isso é somente uma parte da vida do animal. Acontece que estes pequenos besouros passam por uma das metamorfoses mais épicas do reino animal: Para a maioria das espécies, depois que as joaninhas adultas acasalam, elas colocam uma ninhada de minúsculos ovos amarelos bem no meio de uma colônia de pulgões, geralmente na parte de baixo de uma folha. Os ovos eclodem em uma semana, revelando larvas negras espinhosas que rapidamente devoram os afídeos ao seu redor. Quando uma larva está totalmente desenvolvida, sofre metamorfose. Finalmente, após o processo, aparece a joaninha mais comumente conhecida.




2. EFEMÉRIDAS (Efemeroptera)

As Efeméridas, as primas menos elegantes das libélulas, têm uma das metamorfoses mais singulares de todos os insetos. A maioria dos estágios de vida dos insetos passa de ovo a ninfa para pupa e adulto, mas as efeméridas não têm um estágio de pupa. Em vez disso, é o único tipo de inseto que passa por um estágio subimago, ou seja, é quase um adulto no sentido em que cresce as asas ... mas não pode voar longas distâncias e ainda não está sexualmente maduro. O estágio final de vida da emeférida, o imago ou adulto totalmente voador e sexualmente maduro, é extremamente curto, durando apenas de algumas horas a alguns dias.



3. NUDIBRÂNQUIOS (NUDIBRANCHIA)

Enquanto os nudibrânquios, moluscos gastrópodes marinho adultos são essencialmente coloridos e ornamentados, eles não começam dessa forma. Na verdade, após eclodirem, as larvas de nudibrânquios são minúsculas, de aspecto liso e têm pequenas conchas semelhantes a caramujos. Ao longo de dois meses, elas se transformam desta fase plana em adultos, ao longo do caminho ficando maiores e mais coloridas, perdendo suas conchas e crescendo brânquias e tentáculos dorsais quimiorreceptores, chamados rinóforos.

Ciclo de vida de um nudibrânquio. Créditos: Zoe Lawrence


4.  ESTRELA-DO-MAR COROA DE ESPINHOS (Acanthaster planci)

Outra criatura marinha que parece completamente diferente quando adulto em relação ao juvenil é a estrela-do-mar coroa de espinhos . Quando se olha para um adulto, é fácil ver onde esta criatura recebe seu nome: está completamente coberta de espinhos afiados e de aparência perigosa. Mas depois de eclodir, não parece muito mais do que uma mancha translúcida e flutuante. Com o passar do tempo, cresce braços, e mais tarde, espinhos, e depois se fixa nas rochas onde se alimenta de corais.

Adultas. Crédito da foto


Formas jovens. Crédito da imagem

Ciclo de vida da estrela do mar.


5 - ÁGUA-VIVA IMORTAL (Turritopsis dohrnii)

O segredo de uma vida longa e próspera, afinal, é ser uma água-viva. A medusa apropriadamente chamada de medusa ou água viva imortal começa a vida como um ovo, como todas as outras medusas. Em seguida, entra na fase de larvas que nadam livremente, depois se estabelece em um pólipo no fundo do oceano e, finalmente, se transforma em uma medusa sexualmente madura. Ao contrário da maioria das outras espécies, uma água-viva imortal é capaz de retornar ao estágio de pólipo a qualquer momento que enfrente estresse ambiental, ataques de predadores, doenças ou velhice - renascendo, essencialmente, como um indivíduo jovem.

Ciclo de vida da água viva imortal. Ela pode retornar ao estágio de vida pólipo, o que faz com que ela literalmente fique jovem novamente.



6 - PEIXE CHATO (Pleuronectiformes)

Pense no rosto humano mais assimétrico de Pablo Picasso, cole-o em um peixe, e aí você tem um peixe peixe chato. Estes peixes, que incluem o solha e linguado entre outras espécies, começam a vida dentro de minúsculos ovos que flutuam até a superfície do mar. Durante algumas semanas, uma larva de peixe chato nada de pé e se parece exatamente com um típico peixe bebê. Mas após algumas semanas suas espinhas do crânio se deslocam e um olho migra para o lado oposto de seu rosto, forçando os peixes, agora inclinados, a nadar de lado. Eventualmente, quando suas feições faciais se movem para um lado do rosto, ele muda de cor e se move para viver no fundo do mar, com seu lado cego voltado para baixo.

A transformação que o peixe passa é impressionante

Ficando assim quando adulto

Ciclo de vida do peixe. Créditos da imagem


7 - PERERECA CHALAZODES NINHO DE BOLHAS (Raorchestes chalazodes)

Não deixe que esta perereca verde-limão brilhante e alegre engane você: Apesar de parecer comum, ela vive em apenas uma pequena área na Índia e está gravemente ameaçada, por um habitat cada vez mais escasso. Acreditava-se que essas criaturas outrora botavam ovos que se transformavam em girinos na superfície da lagoa, como muitos outras espécies de pererecas. Mas em 2014, foi descoberto que elas tinham uma estratégia reprodutiva diferente: Elas rastejam até um broto vivo de bambu que tem um buraco (provavelmente criado por insetos ou roedores) e depositam seus ovos lá. As criaturas não possuem a fase de girino, passando de ovos e emergindo diretamente como pequeninas pererecas. Como não têm um girino, a espécie não necessita de água para pôr seus ovos.

Essa espécie não passa pela fase de girino. Crédito da imagem


8 - KEA (Nestor notabilis)

A kea é uma espécie grande e vulnerável de papagaio nativo da Nova Zelândia, com penas verdes e azuis nas costas e penas marrons e alaranjadas na parte inferior. Embora as keas adultas pareçam majestosas e belas, elas não começam dessa forma. As keas bebês possuem penugens branco esparso, semelhante ao de um alienígena, durante vários meses após o nascimento. As keas são consideradas uma espécie muito inteligente, observadas trabalhando em conjunto e usando ferramentas.

Kea bebê. Crédito da foto

Kea adulto. Crédito: Arthurs Pass, South Island, New Zealand 


9 - PANDA GIGANTE (Ailuropoda melanoleuca)

Os pandas gigantes são chamados de pandas gigantes por uma razão: Eles são enormes em tamanho, pesando até 115 kg. Mas estes ursos que comem bambu não começam dessa forma. Quando nascem, os filhotes de panda gigantes pesam apenas 90 a 130 gramas (mais ou menos tanto quanto uma maçã pequena). Além de serem bem menores em tamanho, os pandas bebês também são muito pouco peludos - e por isso têm um aspecto muito diferente do que terão como adultos peludos, pretos e brancos.

Crédito: Getty Images




Fontes:

Baseado no post de Mental Floss

  • Comentários do Blog
  • Comentários do Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

Avaliado item: É hora de morfar: A transformação dos animais! Descrição: Classificação: 5 Revisado por: Como Somos Biologia