RAPIDINHAS

segunda-feira, 19 de outubro de 2020

As impressionantes criaturas que habitam as regiões mais profundas do planeta

A 10928 metros (quase 11 km!!), a Profundidade Challenger é o ponto mais profundo que conhecemos nos oceanos. Este ponto fica no extremo sul da Fossa das Marianas, a mais profunda fossa oceânica do mundo. Esta região do oceano, conhecida como zona de hadal, é uma das partes menos exploradas de nosso planeta. Como os animais ali encontrados conseguem viver em um lugar tão extremo?

Não só é totalmente negro nestas profundezas (a luz do sol dissipa-se totalmente a partir de 1000 metros), mas as pressões hidrostáticas são imensas. Na Challenger Deep, elas são 15750 psi, mais de 1000 vezes a pressão ao nível do mar! Esse é o peso equivalente de um elefante africano fazendo pressão em cada centímetro quadrado do seu corpo simultaneamente! É difícil imaginar o que poderia sobreviver em um ambiente tão hostil.

Localização da profundidade Challenger

O que é a Zona Hadal?

Esta é a zona do oceano com o nome de Hades, o Deus grego do Submundo. A zona hadal é reservada pelas trincheiras oceânicas e se estende abaixo de 6000 metros de profundidade. E ainda assim, apesar da escuridão, pressão e frio, descobrimos que as trincheiras oceânicas estão, no entanto, repletas de vida. Uma vida muito estranha, desconcertante e, mais do que tudo, impressionante!

Infelizmente, os habitantes da zona hadal recebem muito menos afeição nas notícias e nas mídias sociais do que seus primos abissais (4000 m - 6000 m) e batiais (1000 m - 4000 m). O tamboril, peixe-dragão e quimeras são ótimos assuntos para filmes de terror, enquanto ctenóforos bioluminescentes e medusas ficam impressionantes na câmera. Os organismos hadais podem parecer sem graça a primeira vista, mas eles não precisam de aparência. Eles são impressionantes simplesmente porque existem em profundidades tão absurdas. Portanto, sem mais delongas, aqui estão cinco organismos que realmente vivem na zona hadal abaixo de 6000 metros:


1. Grenadiers, os peixes de águas profundas mais abundantes

Um grenadier, da espécie Coryphaenoides yaquinae, único membro da família conhecido da zona hadopelágica.

Os grenadiers, às vezes conhecidos como rattails, são um grupo de peixes marinhos da família Macrouridae, que habitam o fundo do mar de 200 m a 7000 m. Como um todo, os grenadiers podem representar até 15% de todos os peixes do fundo do mar (peixes que vivem abaixo de 200 m).

Embora não haja luz na zona hadal, as espécies que vivem aqui desenvolveram meios de sentir seu ambiente. Todos os peixes possuem um órgão sensorial especial chamado linha lateral que detecta o movimento e as vibrações na água ao redor. Nos grenadiers, este órgão é especialmente bem desenvolvido para compensar a falta de visão.

Os grenadiers hadais também tendem a ser consumidores bentônicos (de fundo) generalistas que comem uma variedade de presas de crustáceos anfípodos. Como tal, eles são particularmente atraídos por respiradouros hidrotermais e infiltrações frias ricas em hidrocarbonetos. Estas características são proeminentes nas trincheiras oceânicas devido à subducção e à atividade vulcânica que ocorre nelas.


2. Peixe caracol, o Vertebrado Dominante da Zona Hadal

O peixe caracol das fossas Marianas, Pseudoliparis swirei.


O peixe-caracol pertence à família Liparidae, um grupo que contém mais de 400 espécies, mas que ainda é pouco conhecido pela ciência. Eles são caracterizados por corpos semelhantes a girinos e pele transparente e viscosa que lhes dá uma aparência bastante estranha.

Eles são encontrados em qualquer lugar das zonas intertidais a apenas alguns metros de profundidade até a Fossa das Marianas a mais de 8000 metros de profundidade! Nenhuma outra família de peixes marinhos tem um alcance de profundidade tão extremo!

A espécie de peixe-caracol mais profunda descrita é o Mariana snailfish (Pseudoliparis swirei), que foi filmado a 8076 metros em 2016. Desde então, uma equipe de pesquisa japonesa filmou uma nova espécie de caracolfish a 8178 metros em 2017. Esta espécie ainda não foi descrita.

Embora o peixe caracol das fossas Marianas só cresça até cerca de 30 cm de comprimento, ele é o predador bentônico superior (de fundo) na trincheira, alimentando-se de pequenos crustáceos que habitam o fundo do mar.


3. Enguia abissal, a recordista de peixes mais profundos já encontrados

Enguia abissal Abyssobrotula galatheae, a espécie de peixe recordista em profundidade


A enguia abissal Abyssobrotula galatheae, mantem o recorde de peixes mais profundos já capturados. Um espécime foi arrastado de uma profundidade de 8370 metros na Fossa de Porto Rico em 1970. No entanto, a rede que pegou o espécime pode não ter sido totalmente fechada, portanto é possível que tenha sido capturado a uma profundidade mais rasa.

As enguias abissais, assim como os peixes caracóis, também são uma família de peixes marinhos das profundezas (Ophidiidae) com pele viscosa. Apesar do nome, as enguias abissais estão na verdade mais relacionadas com o atum do que com as enguias verdadeiras.

Embora não seja tão abundante quanto o peixe caramujo, a enguia abissal também está adaptada às profundezas extremas das trincheiras oceânicas. A textura viscosa provém de um tecido gelatinoso aquoso sob sua pele. Combinada com a ausência de espaços aéreos internos como uma bexiga natatória, esta camada viscosa de tecido proporciona tanto proteção estrutural contra alta pressão hidrostática quanto alguma medida de controle de flutuabilidade.

Além do peixe caracol e da enguia abissal, não há outros peixes que conhecemos que habitem a zona hadal a estas profundidades. É verdade, estes são os únicos vertebrados vivos (além do visitante humano ocasional) que você encontrará abaixo de 8000 metros.

A profundidades maiores de 8500 metros, os peixes parecem estar totalmente ausentes. Entretanto, os pesquisadores ainda não sabem ao certo por que este limite existe. A imensa pressão a estas profundidades é a culpada mais provável.

Para vertebrados como os peixes, tais pressões são tão grandes que as próprias proteínas são desestabilizadas. Essencialmente, a maquinaria molecular dentro de suas células simplesmente se decompõe!

Peixes hadopelágicos como as enguias abissais e os peixes caracóis podem neutralizar este efeito produzindo um composto especial chamado óxido de trimetilamina (TMAO). Este composto ajuda a estabilizar as proteínas contra a pressão hidrostática extrema, mas apenas até um certo ponto. Quanto maior a profundidade, maior a concentração de TMAO necessária para evitar a desnaturação das proteínas. Os pesquisadores calculam que além de aproximadamente 8200 metros, as concentrações de TMAO necessárias seriam muito altas para que as células do peixe pudessem manipular. O resultado é uma restrição bioquímica natural sobre como os peixes podem viver em profundidade.


4. Animais Invertebrados da Zona Hadal: Camarões de águas profundas


Um espécime do camarão Benthesicymus crenatus.


Quanto aos invertebrados, os cientistas também achavam que a zona hadal era inóspita para eles. Isto parece ser verdade para alguns grupos de invertebrados que você encontrará em outros lugares do mar profundo, como cefalópodes (lulas e polvos). No entanto, os crustáceos conseguiram superar a expectativa

Os pesquisadores encontraram o camarão da espécie Benthesicymus crenatus, com até 7703 metros de profundidade em várias trincheiras do Pacífico. O Benthesicymus é um decápoda, que é uma ordem de crustáceos que inclui camarões, lagostas, caranguejos e lagostins. 


5. Animais invertebrados da Zona Hadal: Anfípodas gigantes

Os anfípodas são um grupo de crustáceos semelhantes a camarões. Eles normalmente têm menos de um centímetro de comprimento. Entretanto, os anfípodos que vivem na zona hadal são 20 vezes maiores, até 30 cm. Até a Universidade de Aberdeen ter recolhido vários espécimes completos em uma expedição de pesquisa oceânica em 2012, ninguém os observava desde os anos 80.

Hirondellea gigas

Como o peixe caracol, só agora começamos a observar estas misteriosas criaturas em seu ambiente natural. A imensa pressão hidrostática a profundidades terríveis esmagaria a maioria dos anfípodas, mas estes estranhos gigantes se dão muito bem! A maneira exata como os anfípodas gigantes da zona hadal sobrevivem à imensa pressão ainda é desconhecida em grande parte.

Pelo menos uma espécie, no entanto, faz sua própria armadura de alumínio para se proteger. Hirondellea gigas, que vive até o fundo da profundeza Challenger, extrusa uma camada de gel de hidróxido de alumínio sobre seu exoesqueleto. Como os anfípodas são detritívoros (necrófagos), acabam consumindo muito sedimento do fundo do mar. H. gigas extrai íons de alumínio do sedimento rico em minerais da profundeza Challenger através de reações químicas em seu sistema digestivo. Uma vez expostos à água do mar alcalina na fossa profunda, os íons de alumínio se transformam quimicamente no gel protetor de hidróxido de alumínio.

Como você pode ver, há várias espécies interessantes que podem sobreviver à extrema pressão e escuridão da zona hadal. Há ainda mais criaturas além daquelas aqui mencionadas, como esponjas, bivalves e anêmonas nas trincheiras mais profundas do oceano também, mas ainda sabemos muito pouco sobre elas.

Considerando que os pesquisadores só descobriram algumas das espécies desta lista nos últimos 10 anos, provavelmente ainda há incontáveis organismos a serem descobertos! A zona hadal compreende menos de 1% do fundo marinho total do planeta, mas mais de 40% da faixa de profundidade total. Esta é uma combinação perfeita de isolamento e singularidade ambiental para impulsionar a evolução de formas de vida altamente especializadas.

Por: Jonathan Pena Castro


Fonte: 1

  • Comentários do Blog
  • Comentários do Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

Avaliado item: As impressionantes criaturas que habitam as regiões mais profundas do planeta Descrição: Classificação: 5 Revisado por: Como Somos Biologia