RAPIDINHAS

segunda-feira, 10 de agosto de 2020

Existe alguma explicação biológica para o altruísmo?

Se formos definir altruísmo de uma maneira bem simples seria: um comportamento que beneficia outro (o receptor) a um custo para si mesmo (o ator).

De acordo com a teoria evolutiva, o altruísmo não deveria existir. A seleção natural favorece as adaptações que aumentam a aptidão física, a capacidade de sobrevivência e reprodução de um indivíduo. 

O altruísmo faz o contrário. Atores altruístas não são recompensados com descendência extra - em vez disso, o altruísmo muitas vezes vem com uma penalidade. Um cão da pradaria assobia para avisar os outros de um ataque do falcão, então o falcão desce direto para comer o produtor do assobio. As formigas trabalhadoras passam a vida alimentando uma rainha, perdendo a chance de transmitir seus genes individuais. A melhor maneira de reproduzir-se é ser egoísta. Então, por que os genes para o altruísmo não desapareceram?


Durante décadas, os biólogos têm lutado para explicar o altruísmo em termos evolutivos: 

Há altruísmo recíproco: um morcego vampiro regurgita sangue para outro e recebe uma refeição de "recompensa" mais tarde. Há a seleção sexual: os chimpanzés machos parecem mais atraentes para as fêmeas se eles preparam ou compartilham a comida. Há a seleção de parentesco: O altruísmo pode não beneficiar o ator individual, mas talvez aumente a "aptidão inclusiva": transmitindo genes dentro de uma família ou linhagem. 

A Regra de Hamilton coloca a seleção de parentes em números, que é facilmente compreendida pela afirmação de Haldane. Uma vez, o biólogo J.B.S. Haldane foi perguntado: "Você daria sua vida por seu irmão? "Não, mas eu daria por dois irmãos ou oito primos", respondeu ele.

Aparentemente, a hipótese de Hamilton e as outras explicações para o altruísmo estão corretas. Mas elas também podem ser uma ideia mecanicista a algo muito mais complexo. Elas surgem em resposta a um conceito limitado de biologia evolutiva. A biologia pergunta: como podemos explicar a diversidade da vida ao nosso redor? A evolução responde: toda forma e comportamento podem ser reduzidos à necessidade subjacente de sobrevivência e reprodução. Como todas as reduções científicas, esta "regra de ouro" leva a algumas generalizações úteis. Mas ela também limita nossa capacidade de fazer perguntas interessantes. O problema com o altruísmo não é: "Como podemos reconciliá-lo dentro da teoria evolutiva? Ao invés disso, devemos perguntar: Devemos reduzir tudo à sobrevivência e reprodução? Toda a diversidade da vida pode ser explicada? O que perdemos ou ganhamos ao pensar desta maneira?

Vejamos novamente a regra de Hamilton: a regra se apoia no conceito de aptidão inclusiva. Desde que o altruísmo ajude mais seus parentes do que lhe prejudique, há um incentivo evolutivo para o altruísmo: mais genes de sua família serão passados adiante. A aptidão física inclusiva permite que o altruísmo se encaixe perfeitamente na regra de ouro da teoria evolutiva: todo comportamento apoia a sobrevivência e a reprodução.

Mas algo sobre a simplicidade desta explicação tem uma questão. A ideia de que podemos reduzir algo tão complexo como o altruísmo à mera sobrevivência e reprodução implica uma ligação causal entre adaptação e aptidão física. Ela reforça um dos maiores equívocos da evolução: que as adaptações surgem em resposta à pressão seletiva. Isto não é verdade. O cão da pradaria não se sentou e pensou: "Hmmm, acho que vou desenvolver a capacidade de assobiar um aviso para que meus primos possam sobreviver para transmitir meus genes". Em vez disso, os genes para o assobio do esquilo ou o chimpanzé ou o trabalho das formigas surgem completamente por acaso. Podemos afirmar que, uma vez que eles surjam, os traços altruístas são mantidos porque aumentam a aptidão inclusiva. Mas a pressão para uma maior aptidão física não fez surgir o altruísmo. Nada sobre evolução é simples. Precisamos ter certeza de que a linguagem de nossas "soluções" não faz com que isso pareça assim. Quando diminuímos uma característica tão intrincada quanto o altruísmo aos princípios básicos de sobrevivência e reprodução, corremos o risco de perpetuar um vocabulário "se...então" que torna a teoria evolutiva muito mais estreita do que precisa ser.


Explicações simples do altruísmo são oportunidades perdidas. Em nossa pressa em justificar por que a seleção natural deixaria o altruísmo perdurar, ignoramos uma pergunta mais interessante: como e por que o altruísmo surgiu em primeiro lugar? Perdemos a chance de pensar na evolução em uma nova linguagem: uma linguagem do acaso, da sorte e de erros aleatórios. O que vemos como "adaptação" nada mais é que um erro de sorte: um erro aleatório na replicação do DNA que levou a alterações nas proteínas e hormônios elevados e mudanças graduais no comportamento. 

A linguagem do "acaso" e do "erro" deixa alguns cientistas desconfortáveis. Você não se depara com estas palavras em muitos livros de biologia. Mas eu acho que este vocabulário é fascinante. As mutações não surgem com o objetivo de aumentar a sobrevivência ou a reprodução. A vida não precisava evoluir da mesma forma que evoluiu. Por que e como ela chegou a ser assim?

A redução do altruísmo à "sobrevivência e reprodução" nos leva a uma fé mais geral no funcionalismo. Se pensarmos bem, que outras complexidades podemos, logicamente, explicar? É tentador expandir esta mentalidade para áreas onde ela não pertence. Há todo um campo na antropologia que atribui explicações funcionais ao comportamento "irracional". Os rituais indígenas em relação ao gado são justificados como mecanismos para o manejo de doenças, controle populacional e manutenção da estrutura social. A escolha de alimentos forrageiros de um grupo indígena é reduzida à "teoria da dieta ótima", uma análise de custo-benefício. Nada tem a ver com nosso ritual mundial e religioso.

Este conflito é sentido quando vamos a um campo florido. O sentimento é de maravilha, com as cores vistosas, parecendo uma obra planejada em perfeita harmonia. Mas a visão da ciência entra em cena. Os genes combinatórios expressam as proteínas de pigmento. A variação na cor é causada pela pressão seletiva para maximizar as relações simbióticas com os insetos polinizadores - nada mais, nada menos. 
Diante deste exemplo, nos deparamos com duas identidades: uma que queremos estar abertos ao mistério e à beleza, enquanto que também queremos saber como e por que das coisas.

E aqui está o verdadeiro problema do altruísmo: não que não possamos explicá-lo, mas que pensemos que podemos. A regra de Hamilton e outras como ela reforçam a fronteira entre áreas de incognoscível-religião e poesia e cultura e filosofia - e disciplinas baseadas em explicações concretas. A biologia evolutiva tem o potencial de estar em algum lugar no meio. Quando a deixamos, a evolução oferece perguntas intermináveis. Ela nos dá uma linguagem de erro, sorte e acaso. 

Se apertássemos um botão de "retroceder" sobre o curso da vida em nosso planeta, o mundo que resultaria não seria o mesmo que vemos hoje. Que condições fizeram com que a vida evoluísse desta maneira em vez das outras infinitas possibilidades? O que significa que essa função combina tão frequentemente com a beleza, que a vida tende à variação, que coisas como o altruísmo evoluíram de forma alguma? Estas perguntas não são problemas. Na verdade, estas são as que vale a pena perguntar.


Fonte:
Baseado na publicação de:
  • Comentários do Blog
  • Comentários do Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

Avaliado item: Existe alguma explicação biológica para o altruísmo? Descrição: Classificação: 5 Revisado por: Como Somos Biologia