RAPIDINHAS

quarta-feira, 6 de outubro de 2021

Os parasitas mais horripilantes da natureza

Os parasitas são astutos, usando os estratagemas mais inteligentes para se manterem vivos enquanto utilizam dos corpo dos hospedeiros. Os parasitas não têm piedade. Alguns devoram as entranhas de seus anfitriões. Outro substitui a língua da vítima por seu próprio corpo. Aqui estão alguns dos destaques mais horripilantes do mundo biológico:

Cymothoa exigua, ou piolho comedor de língua, dentro da boca de seu anfitrião de peixe. (Crédito de imagem: Matt Gilligan)

Parasita devorador de Tiranoussauro


O famoso dinossauro conhecido como Sue - o maior, mais completo e mais bem preservado espécime de T. rex já encontrado - pode ter sido morto por Trichomonas gallinae, um protozoário que aflige as aves ainda hoje. Os restos de Sue, uma atração estelar do Museu de Campo de Chicago, possuem buracos na mandíbula que alguns acreditavam serem cicatrizes de batalha, resultado de um combate sangrento com outro dinossauro, possivelmente outro T. rex. Agora os pesquisadores sugerem que estas cicatrizes não resultaram de um choque de titãs, mas sim do protozoário que infectou a garganta e a boca de Sue. Algumas aves, como os pombos, geralmente hospedam o parasita, mas sofrem poucos efeitos nocivos. Mas em aves de rapina, como águias e falcões, o germe causa um padrão de lesões graves no bico inferior que coincide com os orifícios nas mandíbulas da Sue e ocorre no mesmo local anatômico. A infestação pode ter sido tão grave que o dinossauro de 42 pés de comprimento e 7 toneladas morreu de fome.

Vespas manipuladoras de teia

Embora os parasitas prejudiquem seus hospedeiros, eles normalmente não os matam, nem que seja para se manterem vivos. Não é assim com os parasitoides, que acabam por matar e muitas vezes consomem seus hospedeiros. As vespas parasitoides, que inspiraram o monstro no filme "Alienígena", depositam seus ovos dentro de suas vítimas, com a progênie acabando por devorar sua vítima por dentro. Várias espécies ainda controlam a mente de seus hospedeiros de forma extraordinária - as larvas da vespa Hymenoepimecis argyraphaga, que infesta a aranha Plesiometa argyra, faz com que suas vítimas girem teias incomuns especialmente bem adaptadas para apoiar seus casulos.

Esquerda: teia normal. Direita: teia feita por uma aranha parasitada, com um casulo já apoiado.

Bactérias matadoras de machos

O gênero de bactérias conhecido como Wolbachia infesta 70% dos invertebrados do mundo, e tem desenvolvido estratégias desonestas para continuar se espalhando. Nas fêmeas hospedeiras, o germe pode pegar carona para a próxima geração a bordo dos ovos da mãe, e como os machos são essencialmente inúteis para a sobrevivência da bactéria, o parasita frequentemente os elimina para aumentar a taxa de fêmeas nascidas, ou matando os embriões masculinos ou transformando-os em fêmeas. Por incrível que pareça, as bactérias encontraram até mesmo uma maneira de infiltrar todo o seu genoma nas células dos hospedeiros de moscas da fruta.

Apesar de não ser uma ameaça a vertebrados, a representação aqui mostra que somente os machos são mortos. Se acontecesse com o ser humano, seria o equivalente a somente as mulheres permanecerem vivas.

Borboleta que nasce de formiga

Lagarta enganando as formigas, sendo cuidada e alimentada.

Assim como os pássaros chupins, a borboleta japonesa Niphanda fusca põe seus ovos nos ninhos de outras espécies, neste caso a formiga carpinteira Camponotus japonicus. As lagartas que eclodem desses ovos, em seguida, enganam as formigas para adotá-los, imitando o odor da casta de formigas macho de alta patente. Tal disfarce químico explica por que esses "parasitas sociais" são entusiasticamente alimentados por seus infelizes hospedeiros em vez da própria ninhada das formigas.

Verme parasita de olhos


O verme Loa loa, que habita em florestas tropicais e pântanos da África Ocidental, infecta as pessoas através da picada de uma mosca de veado ou de uma mosca de manga. Os vermes vagueiam sob a pele de suas vítimas a qualquer hora do dia, alimentando-se de fluidos em tecidos humanos. Os vermes vivem na corrente sanguínea quando o sol está fora e as pessoas são mais propensas a serem picadas por moscas que, por sua vez, podem espalhar os vermes para outros mártires involuntários; eles se retiram para os pulmões à noite. Ocasionalmente, elas se infiltram nos olhos, onde podem ser bastante dolorosas.


Feminização de caranguejos

Um apocalipse zumbi é uma das mais comuns fantasias de fim do mundo da contemporaneidade. Mal sabemos que isso não é lá tão ficcional assim. Recentemente a ciência têm demonstrado uma importante atuação dos parasitas na modulação do comportamento de seus hospedeiros, as cracas parasitas do gênero Sacculina.

Essas cracas em nada se parecem com aquelas que vemos no costão rochoso, em cascos de navio ou sobre baleias (aliás, as que se assentam sobre baleias são mais uns caroneiros chatos do que parasitas mesmo). Só é possível saber que a Sacculina é uma craca por causa da fase larval. A anatomia do adulto é única entre os crustáceos e se divide num saco reprodutivo externo e um rizoma interno que permeia todo o corpo do hospedeiro, em geral caranguejos ou lagostas.

Ao encontrar um hospedeiro, a larva da Sacculina irá invadir seu corpo através de uma junta do exoesqueleto do hospedeiro. Ali a parasita fêmea se desenvolverá até irradiar por todo o corpo do hospedeiro e produzir um saco reprodutivo externo na região caudal da vítima, o mesmo local onde os ovos deste se desenvolveriam. Paralelamente, a Sacculina irá afetar a fisiologia e a anatomia do hospedeiro, primeiro castrando e depois estimulando a feminilização anatômica e comportamental se o hospedeiro for macho. Ao acasalar, o parasita começa a produzir larvas ao mesmo tempo que estimula no hospedeiro os comportamentos de cuidado aos ovos e dispersão de filhotes que este teria com seus próprios descendentes.

Privado de crescer e se reproduzir pela presença do parasita, o caranguejo devota todo o excedente da energia que consome para nutrir a Sacculina até o fim dos seus dias, tornando-se um zumbi a serviço das cracas. Por mais assombroso que seja, caranguejos zumbis existem e chegam a ser 50% dos indivíduos em algumas regiões mais infestadas. Isso pode ser um problema para a produção de frutos do mar em locais como o Alasca.



Fungo zumbificante

Em uma bizarra sentença de morte, o fungo Ophiocordyceps unilateralis transforma as formigas carpinteiras em mortos-vivos. O fungo prefere as partes inferiores das folhas das plantas que crescem no chão da floresta. É onde a temperatura, umidade e luz solar são ideais para que o fungo cresça e se reproduza e infecte mais vítimas. O parasita faz com que os insetos morram pendurados de cabeça para baixo, e depois irrompe um longo talo de suas cabeças com o qual ele asperge seus esporos para outras formigas. Provas fósseis sugeriram recentemente que este fungo tem zombificado formigas por milhões de anos.



Crustáceo comedor de línguas

O crustáceo Cymothoa exigua tem a duvidosa e inquietante honra de ser o único parasita conhecido para substituir um órgão. Ele entra pelas guelras do pargo malhado, preso à base da língua do peixe, onde ele bebe seu sangue. A sucção do sangue faz com que a língua acabe murchando, ponto em que o crustáceo se prende ao toco da língua, agindo como a língua do peixe a partir de então.



Fontes:

Próximo
Este é o mais recente post.
Postagem mais antiga
  • Comentários do Blog
  • Comentários do Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

Avaliado item: Os parasitas mais horripilantes da natureza Descrição: Classificação: 5 Revisado por: Como Somos Biologia