RAPIDINHAS

quarta-feira, 12 de maio de 2021

Amor selvagem: os rituais de acasalamento mais curiosos da natureza

No Dia dos Namorados, os amantes que estão ansiosos para agradar seus parceiros mostram seu afeto com presentes tradicionais como rosas vermelhas, caixas de chocolates em forma de coração, ou com jantares românticos em restaurantes chiques. Geralmente, há algum esforço envolvido, mas fazer um Dia dos Namorados memorável é mais fácil - e geralmente mais seguro - do que alguns dos rituais de namoro realizados por outras espécies animais.

Para a maioria dos animais, o cortejar vem com um risco pessoal maior. As exibições vistosas de um macho, embora atraiam a atenção de uma fêmea, também podem atrair predadores próximos, e as brigas entre rivais machos também podem resultar em uma noite de namoro com uma contagem de corpos. Em alguns casos, ganhar o afeto de uma fêmea canibal coloca o macho no topo do cardápio pós-coital.

Muitos dos comportamentos de acasalamento praticados por animais podem nos parecer estranhos, mas por mais peculiares e arriscados que sejam, eles funcionam muito bem para o público a que se destinam. Aqui estão alguns exemplos de rituais de cortejamento incomuns e extremos no reino animal. 

Peixe pescador: O namorado pegajoso

O acasalamento do peixe pescador começa quando o peixe pescador macho afunda literalmente seus dentes na fêmea. Ele se prende permanentemente e vive como um parasita no corpo maior da fêmea. Entretanto, à medida que seus corpos se fundem, o macho se torna completamente absorvido pela fêmea, perdendo qualquer existência independente. Tudo o que resta é um par de gônadas, que a fêmea continua a usar quando está pronta para se reproduzir. 

Macho parasítico (indicado na seta) literalmente grudado na fêmea...para sempre.

Polvo macho....ou fêmea?

O polvo da espécie Abdopus auleatus tem uma complexa cultura de acasalamento. Alguns machos vivem em lugares adjacentes à suas companheiras para protegê-las. Outros, conhecidos como machos "sneaker", às vezes se disfarçam de fêmeas para passar escondido pelos guardas e acasalar com a fêmea. Entretanto, evitar a ira de outros machos não é o único motivo pelo qual os polvos mudam de coloração. Os polvos são notoriamente antissociais. Os cientistas acreditam que os machos também podem imitar as fêmeas para evitar serem canibalizados por elas. 

Abdopus auleatus e seu curioso ritual de acasalamento, em que em certos momentos, precisa o macho precisa de disfarçar de fêmea.


Ritual do hipopótamo - Uma literal tempestade de fezes

A urina e as fezes são o perfume do mundo dos hipopótamos. Para impressionar as fêmeas hipopótamos, os machos não apenas defecam e urinam perto delas; eles usam caudas giratórias e alguns dos peidos mais poderosos do reino animal para atirar para longe, para garantir que todas as fêmeas da área possam sentir o cheiro. Se ele captar o interesse de uma fêmea, ela levantará sua retaguarda fora da água para mostrar que está pronta para retribuir... dando-lhe banho de esterco. Os cientistas chamam isso de "defecação submissa". 

Quanto mais forte a fragrância, mais o macho marca seu território e harém de fêmeas.

Vermes planos marinhos - En garde!

Os vermes planos marinhos são hermafrodita e podem desempenhar tanto o papel masculino quanto o feminino na reprodução. Quando dois vermes chatos se encontram, eles estendem pênis afiados de duas extremidades e tentam apunhalar um ao outro e injetar o outro com esperma. No entanto, engravidar não significa necessariamente perder. Em muitas espécies, os "pais" continuam a "duelar" com outros indivíduos até que eles também sejam inseminados. 

O 'duelo' de inseminação.

Bonobos: O macaco do amor livre

Enquanto muito do sexo animal parece ser puramente reprodutivo, os bonobos são promíscuos, se envolvem em uma grande variedade de relações sexuais recreativas com membros de ambos os sexos, e não são particularmente ciumentos. Eles usam o sexo para fazer amigos, formar laços de grupo e como moeda. Além disso, eles são um dos poucos animais não humanos que copulam cara a cara. 

Bonobos: o sexo resolve tudo... literalmente.

Peixe-palhaço: Lutar para conseguir/ser a garota

Todos os peixe-palhaço nascem machos e passam suas vidas lutando para subir uma hierarquia rigorosa determinada pelo tamanho e pela agressão. Mas os peixe-palhaço que são suficientemente resistentes para alcançar o topo de seu grupo recebem um prêmio especial: eles transitam para a forma feminina e se tornam a única fêmea do grupo. Em seguida, acasalam com o segundo maior peixe-palhaço da escada. Somente elas podem acasalar. 

Sim o mesmo da animação Nemo. Em essência, todos nascem machos, e apenas um se transforma em fêmea.

Ratos Marsupiais: Aqui por um bom tempo, não por muito tempo

A puberdade bate forte para os machos destes minúsculos marsupiais australianos. Quando atingem a maturidade sexual, seus testículos se desintegram e o relógio começa a bater em um curto mas frenético período de acasalamento. A natureza lhes dá apenas algumas semanas para usar o esperma que eles acumularam para garantir sua posteridade antes de morrer. 

Os machos param de dormir e correm freneticamente em busca de oportunidades de acasalamento, enquanto seu pelo cai e eles desenvolvem ulcerações e gangrena. Embora seja de se esperar que os machos lutem durante esta tentativa desesperada de reprodução, eles são na verdade bastante amigáveis uns com os outros. 

Seu tempo não é longo, e precisa literalmente se apressar para se reproduzir, antes de morrer.

Aranhas de teia de berçário: "Traga lanches"

O macho aranha de teia de berçário traz presentes de carcaças de presas embrulhadas em seda, que ele dá à fêmea antes de copular. Uma vez pensado para ser uma demonstração de investimento dos pais, os cientistas acreditam agora que se trata de impedir que ela o coma. Não sabemos por que não pode ser as duas coisas. 

A fêmea pode consumir o macho após a cópula.

9. Cobra-liga: Festa na Pradaria

Manitoba, Canadá, é o lar do maior encontro anual de cobras do mundo, e é uma orgia. A cada primavera, os machos emergem primeiro de seus covis subterrâneos. Quando uma fêmea maior aparece, os machos se formam em uma bola de acasalamento gigante na qual uma única fêmea é cercada por até 100 machos que tentam acasalar com ela ao mesmo tempo. As cobras-ligas masculinas também são conhecidas por produzir feromônios femininos para enganar outros machos a fim de tentar acasalar com elas.

Praticamente todas as cobras da foto são machos, atrás de uma única fêmea.

Baiacu: Covil sexual subaquático

Uma pequena espécie de peixe baiacu passará de sete a nove dias fazendo grandes padrões de círculo ornamentado no fundo do mar, que decoram com fragmentos de conchas. Os machos batem suas barbatanas e nadam ao redor criando círculos de quase 2 m de diâmetro, mesmo tendo apenas 12 cm de comprimento. As fêmeas vêm para examinar os círculos acabados e decidir se gostariam de acasalar com seus fabricantes. Embora tenham certeza de que os círculos são importantes para o acasalamento, os cientistas ainda não sabem exatamente o que as fêmeas de baiacu procuram em um covil de sexo subaquático. 

O peixe produz esses círculos com padrões para impressionar a fêmea.

Bowerbirds: Os ilusionistas

Os Bowerbirds, nativos do norte da Austrália, são arquitetos-ilusionistas. Para atrair as fêmeas, elas não se limitam a dançar ou a balançar suas penas. Eles constroem uma estrutura de galhos chamada "bower", que eles decoram com ossos, objetos feitos pelo homem e pedras. Quando uma companheira em potencial chega, o macho fica na parte junto à saída do ninho e lhe mostra os objetos coloridos que ele colecionou. A ilusão? Os objetos são dispostos com os objetos maiores mais afastados do ninho. De onde ela está, isto o faz parecer maior do que ele realmente é. 

Eles são mestres construtores

Abelhas: Acasalar e morrer

Quando uma abelha zangão tem a rara chance de acasalar com a rainha, é a última coisa que ele faz. Ele ejacula com um estouro explosivo, rompendo seu endófalo (seu pênis interno). Ele fica paralisado e se vira para trás. Seu endófalo farpado permanece na rainha, rasgando seu abdômen enquanto ele é arrancado do resto de seu corpo. Ele morre. A rainha utiliza o sêmen dele para uso posterior. 

O último ato do macho

Albatrozes: "Eu sempre voltarei para você"

Os albatrozes gostam de viajar. Eles são aves migratórias que podem passar anos no mar sem nunca tocar em terra. Mas quando voltam para as Ilhas Galápagos para a temporada de acasalamento, sempre voltam para seu parceiro de toda a vida. A dupla se cumprimenta com uma intrincada dança de acasalamento de 20 minutos. Quando um casal albatroz se reproduz, os pais alimentam o filhote por quase um ano até que ele esteja pronto para partir sozinho por quatro ou cinco anos sem retornar.

O casal de albatrozes permanecem unidos por toda a vida, mesmo após ficaram longas temporadas separados

Porcos-espinhos: Deixe chover

O intervalo de acasalamento do porco-espinho é pequeno: as fêmeas estão receptivas por apenas cerca de 8-12 horas por ano. Mas quando é o momento, os machos aproveitam. O porco-espinho macho  então escala uma árvore e do topo, encharca a fêmea com uma chuva de urina com até 2 metros de distância. Se ela gostar do cheiro, então ela irá acasalar com ele uma e outra vez até que ele esteja completamente exausto. O período de acasalamento de 12 horas é suficiente para que a fêmea engravide.

Por: Jonathan Pena Castro

Fontes:

1, 2, 3

  • Comentários do Blog
  • Comentários do Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

Avaliado item: Amor selvagem: os rituais de acasalamento mais curiosos da natureza Descrição: Classificação: 5 Revisado por: Como Somos Biologia