RAPIDINHAS

quarta-feira, 28 de abril de 2021

Príons, as proteínas infectantes causadoras da vaca louca

"Príon" foi um termo usado pela primeira vez para descrever o misterioso agente infeccioso responsável por várias doenças neurodegenerativas encontradas em mamíferos, incluindo a doença de Creutzfeldt-Jakob (CJD) em humanos. A própria palavra deriva de "partícula infecciosa proteinácea"; refere-se à hipótese inicialmente de que o agente infeccioso causador dessas doenças consiste apenas de proteína, sem genoma do ácido nucleico. (Todos os patógenos conhecidos anteriormente, tais como bactérias e vírus, contêm ácidos nucléicos, que permitem a sua reprodução). A hipótese priônica explicou porque o misterioso agente infeccioso é resistente à radiação ultravioleta, que decompõe os ácidos nucléicos, mas é suscetível a substâncias que perturbam as proteínas.

Príons são as causadoras da encefalopatia espongiforme bovina, mais conhecida como a doença da vaca louca

"Um grande avanço ocorreu quando os pesquisadores descobriram que o agente infeccioso consiste principalmente de uma proteína encontrada nas membranas das células normais, mas neste caso a proteína tem uma forma alterada, ou conformação. Alguns cientistas supuseram que a proteína distorcida poderia se ligar a outras proteínas do mesmo tipo e induzi-las a mudar sua conformação também, produzindo uma reação em cadeia que propaga a doença e gera novo material infeccioso. Desde então, o gene desta proteína tem sido clonado com sucesso, e estudos utilizando ratos transgênicos reforçaram essa hipótese priônica As evidências em apoio à hipótese são agora muito fortes, embora não incontrovertível.

A hipótese, é de que os príons sejam causadas por proteínas normalmente presente nas membranas celulares, mas que por sua conformação anormal possa levar a uma reação em cadeia de infecção.

A pesquisa sobre as doenças priônicas acelerou-se recentemente por várias razões. Primeiro, a crescente evidência experimental gerou grande interesse no que parece ser um tipo totalmente novo de mecanismo de doença. Segundo, a demonstração de que os príons são responsáveis pela doença das "vacas loucas" (encefalopatia espongiforme bovina - BSE), que infectou um grande número de bovinos na Grã-Bretanha e causou pânico no público, deu nova urgência à busca de uma cura - especialmente desde a descoberta de que as vacas infectadas podem ser responsáveis por vários novos casos de BSE em humanos. Finalmente, eu e meus colegas determinamos recentemente que existe um fenômeno muito parecido com a infecção por priões em leveduras.

Mark Rogers no departamento de zoologia e no Centro de Biotecnologia do University College, Dublin, acrescenta algumas informações adicionais:

"O termo 'príon' foi cunhado por Stanley B. Prusiner da Faculdade de Medicina da Universidade da Califórnia em São Francisco em 1982 para distinguir o agente infeccioso que causa o tremor epizoótico dos ovinos, a doença de Creutzfeldt-Jakob (CJD) em humanos e a encefalopatia espongiforme bovina (BSE) em bovinos de outros agentes infecciosos mais típicos. A hipótese do príon postula que estas doenças são causadas não por um vírus ou bactéria convencional, mas por uma proteína que adotou uma forma anormal.

"O processo pelo qual esta mudança ocorre não é claro e há muito trabalho em andamento para estabelecer a estrutura da proteína príon tanto em suas formas normais como aberrantes. Recentemente, cientistas desenvolveram um modelo molecular de ambas as variantes e publicaram trabalhos descrevendo a estrutura das proteínas priônicas (como fabricadas pela bactéria E. coli que foram alteradas através de técnicas de DNA recombinante). Trabalhos adicionais usando ressonância magnética e cristalografia de raios X devem nos ajudar a entender os elementos estruturais chave que permitem ao príon cooptar a forma celular normal para a variante produtora da doença. É provável que outros componentes celulares ajudem neste processo, portanto, o trabalho de compreensão da biologia celular de ambas as formas da proteína também é vital".

Nos anos 50, uma doença transmissível epidêmica chamada kuru, foi identificada na tribo Fore de Papua Nova Guiné. A transmissão da doença ocorreu durante um processo fúnebre ritual no qual o cérebro de um membro morto da tribo foi removido do crânio, cozinhado e comido. A análise científica dos cérebros de pessoas que haviam morrido de kuru mostrou que seu tecido cerebral tinha uma aparência espongiforme, ou seja, havia buracos onde as células deveriam estar, indicando uma encefalopatia, ou redução do número de células cerebrais. Dr. Carleton Gajdusek, trabalhando no Instituto Nacional de Saúde dos EUA, demonstrou que extratos de cérebro preparados de pessoas que haviam morrido de kuru poderiam causar uma doença semelhante quando inoculados no cérebro de chimpanzés. Estas experiências obviamente sugeriam a presença de um agente infeccioso. .


Sabemos agora que uma proteína celular normal, chamada PrP (para partícula infecciosa proteica) e que é encontrada em todos nós, está centralmente envolvida na propagação das doenças por príons. Esta proteína consiste em cerca de 250 aminoácidos.



Alguns pesquisadores acreditam que os príons são formados quando o PrP se associa a um ácido nucleico patogênico estranho. Isto é chamado de hipótese virina. (Os vírus consistem em proteínas e ácidos nucléicos que são especificados pelo genoma do vírus. Um virino também consistiria de proteínas e ácidos nucléicos, mas o componente proteico é especificado pelo genoma hospedeiro, não pelo genoma patogênico). 

Os príons podem ser transmitidos, possivelmente por ingestão e certamente por inoculação, diretamente no cérebro ou na pele e no tecido muscular. Casos esporádicos e ocasionais de doenças priônicas surgem na meia-idade ou na velhice, presumivelmente porque existe uma chance muito pequena, mas real, de que a proteína norma possa virar espontaneamente para a proteína infectante; a probabilidade cumulativa de tal virada cresce com o passar dos anos. "Os prions podem ser transmitidos, possivelmente comendo e certamente por inoculação diretamente no cérebro ou na pele e no tecido muscular. A amplificação exponencial do prião (convertendo o pN em pD no corpo) resultaria então em doença. Casos esporádicos e ocasionais de doenças priônicas surgem na meia-idade ou na velhice, presumivelmente porque existe uma chance muito pequena, mas real, de que o pN possa virar espontaneamente para pD; a probabilidade cumulativa de tal virada cresce com o passar dos anos. 

Os príons há muito tempo intrigam os cientistas por causa de suas propriedades incomuns e ainda sua estrutura precisa não é totalmente conhecida. Muitas pesquisas ainda deverão ser feitas para desvendar os mistérios dessas proteínas infectantes.

Por: Jonathan Pena Castro

Fontes:

Scientificamerican

Cdc

Hopkinsmedicine


  • Comentários do Blog
  • Comentários do Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

Avaliado item: Príons, as proteínas infectantes causadoras da vaca louca Descrição: Classificação: 5 Revisado por: Como Somos Biologia