RAPIDINHAS

sexta-feira, 12 de março de 2021

Como nosso corpo reage ao perigo?

Quando estamos na presença de algo que é mental ou fisicamente aterrorizante desencadeamos a resposta de "luta ou fuga" que, refere-se a uma reação fisiológica desencadeada pela liberação de hormônios liberados a partir das glândulas suprarrenais no momento do estresse - que preparam seu corpo para ficar e lidar com uma ameaça ou para fugir para um lugar seguro.

Sistema nervoso autônomo e sua resposta ao estresse agudo

Seu sistema nervoso autônomo é a parte do sistema nervoso que está relacionada ao controle da vida vegetativa sendo um delicado ato de equilíbrio entre o sistema nervoso simpático e o sistema nervoso parassimpático. Ambas as redes reagem involuntariamente ao ambiente ao seu redor, controlando funções como a respiração, circulação do sangue, controle de temperatura e digestão.

Seu sistema nervoso simpático é responsável por como seu corpo reage ao perigo e é responsável pela resposta de "luta ou fuga". Enquanto seu sistema nervoso parassimpático é responsável por manter a homeostase, que é o monitor de estabilidade embutido em seu corpo. Pense nele como um gerador - certificando-se de que tudo, desde a temperatura corporal até a ingestão de água, está funcionando perfeitamente. Seu sistema nervoso parassimpático garante que as coisas estejam equilibradas. Ele age para relaxar você e ajuda a conservar e restaurar a energia.  

Você precisa de ambos os sistemas para funcionar corretamente.  

Em resposta ao estresse agudo, o sistema nervoso simpático do corpo é ativado pela liberação repentina de hormônios. O sistema nervoso simpático então estimula as  glândulas adrenais, desencadeando a liberação de catecolaminas (incluindo adrenalina e noradrenalina).

Durante o momento do estresse (por exemplo, ansiedade de desempenho ), o sistema nervoso simpático domina o sistema parassimpático. Por exemplo, se estivermos presos em uma situação ou com falta de tempo, podemos experimentar um pico na ativação simpática na forma de batimentos cardíacos acelerados, músculos tensos e uma sensação de hipervigilância. Em um estado desencadeado por simpatia, julgamos mal as pistas, como rostos neutros que parecem zangados e o mundo é um lugar hostil. Depois de resolver o problema, nosso coração e frequência respiratória voltam ao normal, nosso corpo relaxa e nossa consciência do que está ao nosso redor se suaviza.

Características desencadeadas durante a resposta ao estresse.

A reação começa na amígdala, a parte do cérebro responsável pela percepção do medo. A amígdala responde enviando sinais ao hipotálamo, que estimula o sistema nervoso autônomo (SNA). 

O sistema nervoso simpático conduz a resposta de luta ou fuga, enquanto o sistema nervoso parassimpático conduz o congelamento. Como você reage depende de qual sistema domina a resposta no momento.

Em geral, quando o sistema nervoso simpático é estimulado, o corpo libera adrenalina e cortisol, o hormônio do estresse. Esses hormônios são liberados muito rapidamente, o que pode afetar:

Aumento frequência cardíaca e a pressão arterial: Isso significa que você provavelmente está respirando mais rápida e pesadamente, o que está ajudando a transportar nutrientes e oxigênio para os principais grupos musculares.

Pele fica pálida ou avermelhada: Seu fluxo sanguíneo está sendo redirecionado, então você pode sentir frio ou como se suas mãos e pés estivessem frios e úmidos. Seu rosto também pode ficar vermelho à medida que o sangue e os hormônios circulam por todo o corpo.

A resposta à dor: Se o seu sistema nervoso simpático for acionado por um combate ou acidente, não é incomum sentir os ferimentos apenas depois de voltar à segurança e ter tempo para se acalmar. Esse é um dos motivos pelos quais as pessoas em acidentes de carro geralmente não sentem dor por causa dos ferimentos.

Pupilas: Suas pupilas vão dilatar para receber mais luz, para que você possa ver melhor.  

Memórias: Às vezes, durante experiências estressantes, suas memórias do evento podem ser alteradas. Suas memórias podem ser muito claras ou vívidas ou podem estar apagadas.

Tensão ou tremedeira: Os hormônios do estresse estão circulando por todo o corpo, então você pode se sentir tenso ou inquieto, como se seus músculos estivessem prestes a se mover a qualquer momento.

Bexiga ou intestinos: Não é incomum perder o controle voluntário da bexiga ou intestinos em uma situação realmente estressante ou perigosa.

Durante a resposta de luta ou fuga, seu corpo está tentando priorizar, então tudo o que não precisa para a sobrevivência imediata é colocado em segundo plano. Isso significa que a digestão, a produção do hormônio reprodutivo e do crescimento e a reparação dos tecidos são temporariamente interrompidos. Em vez disso, seu corpo está usando toda a sua energia nas prioridades e funções mais importantes.

Normalmente, leva de 20 a 30 minutos para que seu corpo volte ao normal e se acalme.



Por que a resposta de "luta ou fuga" é importante?

A resposta de "luta ou fuga" desempenha um papel crítico em como lidamos com o estresse e o perigo em nosso ambiente. Quando estamos sob ameaça, a resposta prepara o corpo para lutar ou fugir.

Ao preparar seu corpo para a ação, você está mais bem preparado para atuar sob pressão. O estresse criado pela situação pode realmente ser útil, tornando mais provável que você enfrente a ameaça de maneira eficaz.

Esse tipo de estresse pode ajudá-lo a ter um melhor desempenho em situações em que está sob pressão para se sair bem, como no trabalho ou na escola. E nos casos em que a ameaça é fatal, a resposta de lutar ou fugir desempenha um papel crítico em sua sobrevivência. Ao prepará-lo para lutar ou fugir, a resposta de lutar ou fugir torna mais provável que você sobreviva ao perigo.

Embora a resposta de lutar ou fugir aconteça automaticamente, isso não significa que seja sempre precisa. Às vezes, respondemos dessa forma, mesmo quando não há uma ameaça real. As fobias  são bons exemplos de como a resposta de lutar ou fugir pode ser disparada falsamente diante de uma ameaça percebida.

O que leva ativação excessivamente frequente, intensa ou inadequada da resposta de luta ou fuga, implicada em uma variedade de condições clínicas, incluindo a maioria dos transtornos de ansiedade.

Precisamos aprender a lidar com esse estado de atenção, pois é uma reação de proteção diante de algo momentâneo. E para isso tem técnicas de respiração, técnicas de mindfulness entre outras técnicas de relaxamento que podem ser usadas enquanto o momento de estresse está ali sendo processado e uma hora ele vai passar.


Fonte: [1].[2].[3].[4].[5].[6]


Por: Adriana R. Cordeiro





  • Comentários do Blog
  • Comentários do Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

Avaliado item: Como nosso corpo reage ao perigo? Descrição: Classificação: 5 Revisado por: Adriana Cordeiro