RAPIDINHAS

quarta-feira, 9 de junho de 2021

É possível aumentar a longevidade alterando nossos genes?

O envelhecimento é um processo complexo que depende de nossa capacidade de renovar, reparar e regenerar nossos tecidos que sofrem ou acumulam múltiplos danos causados ​​com a idade. 
A expectativa de vida no Brasil em 2019 era em média, até os 76,6 anos. Mas a longevidade pode ser determinada pela genética, pelo ambiente e comportamentos. 



Embora a morte seja inevitável, a longevidade varia drasticamente entre os indivíduos. Qual é o segredo para uma vida longa? Nossa longevidade é determina apenas pelo nosso estilo de vida ou está codificada em nosso DNA?


Vários estudos buscam responder as essas questões, e para estudar o tempo de vida, os cientistas tendem a trabalhar com organismos que não vivem muito; assim, eles podem observar todo o curso da existência de um organismo e obter resultados experimentais relativamente rápidos. Um organismo que os pesquisadores frequentemente empregam em seus estudos de expectativa de vida é o Caenorhabditis elegans, uma lombriga microscópica que vive até uma idade avançada de duas a três semanas. Outra vantagem de usar C. elegans é que esses vermes têm uma fisiologia simples e genes de fácil manipulação.


Pesquisadores descobriram que o C. elegans com um único gene específico mutado viveu duas vezes mais que os membros da espécie que não tinha essa mutação. Essa descoberta foi inovadora por uma série de razões. Primeiro, desafiou o conceito predominante de que o envelhecimento ocorre à medida que o corpo se deteriora com o tempo. Em segundo lugar, levou a uma mudança no pensamento, mesmo entre os pesquisadores que já acreditavam que o envelhecimento estava sujeito a algum tipo de controle genético. Antes desse ponto, a maioria desses cientistas imaginava que o envelhecimento, as doenças relacionadas à idade e a morte eram consequências de vários processos celulares e fisiológicos e, portanto, sob a regulação de um amplo e diversificado conjunto de genes. 


O gene responsável é chamado daf-2 que se parecia muito com a proteína receptora em humanos que responde ao hormônio insulina. Em outras palavras, a proteína do verme é simplesmente uma forma primitiva de nossos próprios receptores de insulina. Sendo que a via de sinalização da insulina (IIS) foi a primeira via demonstrada para modular a expectativa de vida do organismo em organismos modelo.
O gene daf-2 agora é conhecido por regular uma série de fatores além do envelhecimento, incluindo resistência ao estresse, metabolismo e desenvolvimento. Vários estudos observaram que mutações com perda-de-função nos genes para daf-2, aumentam expressivamente a longevidade do verme.

Como funciona o gene do envelhecimento?

Acontece que daf-2 normalmente controla muitos outros genes, que por sua vez regulam uma variedade de processos fisiológicos em diferentes estágios da vida. Por exemplo, em seus estudos de C. elegans, os pesquisadores descobriram um grande conjunto de genes que são "ativados" ou "desativados" em vermes que carregam duas cópias da mutação daf-2. Os genes que mostram mais mudanças se enquadram em várias classes diferentes, algumas das quais se alinham perfeitamente com as hipóteses existentes sobre os mecanismos de envelhecimento em outros organismos; isso inclui a crença de que vários genes codificam proteínas que prolongam a vida, agindo como antioxidantes, regulando o metabolismo e exercendo um efeito antibacteriano.


Fonte: [1].[2].[3].[4].[5]


  • Comentários do Blog
  • Comentários do Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

Avaliado item: É possível aumentar a longevidade alterando nossos genes? Descrição: Classificação: 5 Revisado por: Adriana Cordeiro